SAÚDE DOS POVOS ROMANI




SAÚDE DOS POVOS ROMANI


Saúde da população romani/Brasil
Uma realidade Brasileira e mundial



Verdade seja dita: a grande diversidade entre as etnias da grande Rromá e a variável demonstrada entre as ações efetivas governamentais e a identificação dos Rromá enquanto povo e minoria, dentro do circuito nacional/operacional chamado saúde, é lento e ou inoperante. Essa não é uma realidade apenas do Brasil, essa realidade histórica, por assim dizer, continua ocorrendo em várias partes do mundo.  Essa variável de informação sem dados específicos se aplica a quase todos os países, com raras e honrosas exceções.

A Organização Mundial de Saúde define a saúde como "um estado de completo desenvolvimento físico, mental e bem-estar social, [...] não apenas a ausência de doença ou enfermidade [...] o gozo do mais alto padrão atingível de saúde é um dos direitos fundamentais de todo ser humano sem distinção de raça, religião, convicção política, condição econômica ou social”.

O que temos atualmente são equívocos institucionais e desconhecimento popular sobre o que determina a saúde dos Rromá.  A falta de dados e a ação desigual na coleta dos mesmos criam um entrave que só poderá ser superado a partir do reconhecimento da importância da geração de conhecimento específico sobre o povo rromani. Uma ação desta natureza é determinante para que a política pública de saúde seja efetivamente aplicada.

Primeiramente, precisamos conhecer a desigualdade e precisamos assumir que o desconhecimento gera a negação de sua existência, contribuindo para fortalecer padrões discriminatórios. Sendo assim, precisamos gerar conhecimento sobre este povo, inserir este conhecimento nas dinâmicas da gestão pública e traduzi-lo em políticas públicas adequadas e capazes de promover o reconhecimento do cidadão romani e de sua etnia. Toda essa discussão inclui também a questão do diálogo limitado entre políticos e população/sociedade em geral, que tem como conseqüência a negação das influências sociais que moldam a saúde de todos os seres humanos, incluindo os Rromá. Essa prática se torna uma característica definidora de respostas oficiais para a saúde e o bem estar de todas as minorias no que chamamos mundo desenvolvido.

Essas lacunas com relação às políticas públicas para a saúde dos Rromá e da população mais carente em geral – em contraposição à sociedade majoritária – reflete e visibiliza a desigualdade política, econômica e social. A isso podemos chamar de discriminação institucional, um elemento que contribui fortemente para a exclusão social.

Garantir o direito à saúde inclui respeitar a multiculturalidade, no sentido de mostrar à sociedade majoritária estilos de vida diferentes e suas respectivas vantagens. Os Rromá possuem um senso familiar bastante apurado e uma definição própria no que diz respeito à manutenção de sua própria identidade. Para que isso se mantenha, fazem uso da oralidade e a partir desta, se comunicam e mantêm vivas as suas tradições. A estrutura visual, para os Rromá, é um ponto importante na comunicação de assuntos referente à saúde, como epidemias, doenças sexualmente transmissíveis e cuidados básicos. É necessária a atenção dos meios de comunicação com relação a isso.  É preciso a atenção de todos aqueles que enxergam esta realidade, a fim de que possamos avançar em direção a uma realidade mais igualitária. A igualdade é um princípio básico, estabelecido com clareza na Constituição Federal do Brasil, e este princípio se aplica aos órgãos responsáveis pelo cuidado da população em geral, que deve ser livre de todo tipo de discriminação.

                                             Photo: Scanpix.

 Family Mundeling, family Benneweiz and family Miehe are all traveller families. Like most travellers, the first of the families emigrated from Germany.

Precisamos criar contextos que nos levem a respeitar, reorganizar e criar estruturas efetivas de ajuda, levando em conta os milênios de sabedoria dos Rromá e sua estrutura interna social de convívio. Toda e qualquer ação coletiva, como a promoção da formação de agentes de saúde na própria comunidade é de extrema importância. Gerando conhecimentos e aprendendo com práticas milenares de medicina tradicional rromani.



O Brasil define seu sistema de saúde a partir da noção de atendimento universal, livre de qualquer discriminação. Isso significa que qualquer pessoa, independente da condição social, raça, cor ou etnia, incluindo os estrangeiros, deve ser atendida pelos serviços de saúde – fato este que revela um contexto único da valorização da vida humana. Entretanto, perpetua-se uma situação de despreparo educacional da rede de assistência, que inclui desde os médicos até os atendentes e auxiliares. Por esse motivo básico, os Rromá, por não fazerem parte do grupo de interesse, sofrem com a falta de estatísticas dos órgãos assessoriais.

Comungamos da idéia de que a educação deve ser o carro chefe, deve estar na linha de frente de uma batalha humanista e de extrema necessidade, afim de não revivermos o legado deixado pelas guerras e o espólio das mesmas, como claramente se vê hoje em países do leste europeu. Comungamos a idéia de que órgãos governamentais que direcionam suas atividades em prol do combate efetivo da discriminação e o preconceito devam trabalhar de forma a dar o direcionamento para que tenhamos um país mais justo e igualitário.

A luz do conhecimento é capaz de esclarecer que não são necessários postos de atendimentos especiais, mas sim superar o preconceito e a discriminação de forma a garantir que a comunidade Rromá possa ser atendida e possa contar com a assistência efetiva dos agentes comunitários de saúde que hoje, no Brasil, formam uma força tarefa de suma importância.

A ausência de dados nos sinaliza a clara distância existente entre a realidade atual da comunidade Rromá e a sua participação efetiva como cidadãos e cidadãs brasileiros. Visibilizar essa minoria, tanto no Brasil, quanto na América Latina, compõe o quadro básico de assistência à saúde integral do ser humano.

                     Blushøj camp. Photo: Copenhagen Municipality

 Blushøj camp was located in one of Copenhagen's peripheral areas in Valby. The caravan park was established by the City of Copenhagen in 1948, when travellers found it difficult to find places to park their caravans. The caravan park was closed in 1962.

Condições de saúde devem incluir: estruturas de moradia, direito à alimentação, saneamento básico e acesso ao trabalho e a um meio ambiente digno. Precisamos assegurar o direito à vida em toda a sua plenitude, acima da herança de perseguição e de preconceito que recai sobre o povo Rromá desde sempre e em todos os continentes. [artigo 12.2 PIDESC].

Que sejamos nós da América Latina a acolher os nossos no conteúdo do direito à saúde, para que sejamos reconhecidos internacionalmente como os que venceram a barreira da ignorância e da discriminação.

 A Romany woman cooks dinner in an iron pot hung over an open fire at the Corkes Meadow encampment in Kent, July 1951.

As mulheres Rromá se apresentam como as transmissoras da educação e da cultura, e é para elas que nossos olhos se voltam, com carinho e com a vontade de ver crescer a atenção especial a elas, vítimas de preconceito em todas as suas atividades, sejam culturais ou sociais. Esse lugar é legítimo e deve ser visto e reconhecido, como fonte de promoção da saúde e da melhoria de qualidade de vida. As mulheres ciganas no mundo ainda não têm rosto.  Mas precisam ter – precisamos de dados para combater a discriminação, os números são os aliados da verdade e da política pública acertada, justa e humanista. Esta é uma noção reconhecida internacionalmente e explicitada em importantes tratados internacionais como: a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Mulheres (artigos 10, 12, 16) - Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial (artigo 5).

AMSK/Brasil – Associação Internacional Maylê Sara Kalí


Brasília, 21 de maio de 2012.

Comentários

  1. Acho q sou Boráx, tenho medo do trabalho (não trabalho), medo de cair. Como o utilizo? Há problemas com a amamentação (amamento há 1 ano). Obrigada, Isadora

    ResponderExcluir
  2. Isadora,

    Lycopodium e ferrula também tem medo do trabalho...medo de cair pode ser insegurança diante da vida, pode ser mais que físico.

    veja melhor essa materias, aí conversamos.

    um abraço,

    a equipe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite. Bom eu quse não choro e sou bem estourada, mas recuo para não ter problemas. Ajudou essas informações? Obrigada, Isadora

      Excluir
    2. Isadora, essa fuga dos problemas é muito parecida com lycopodium sim. Essa seria a maior indicação.
      Daí seria na ch 5 - uma vez por dia.

      Mas o floral mineiro: buque de 9 flores, pode contribuir e muito.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  3. Prazer e boa noite. Noto em mim alguns problemas que atrapalham e atrasam a minha vida nestes 44 anos, mas dois deles são mais prementes:
    1) Sou irritada, mau humorada. Quando sou contrariada, fico agressiva, tenho, e “pitis”(grito e esbravejo, mas não atiro nada nas pessoas) . Depois imediatamente me arrependo e caio em mim, volto atrás e se for necessário peço desculpas . Se pudesse acabar totalmente com essa agressividade nefasta, eu acabaria. Falta suavidade e flexibilidade em mim.
    Tomei staphysagria e melhorei bem, mas tinha que diminuir muito ainda

    2) Sou estagnada, parada na vida,"um pudim". Não evolui, cresci profissionalmente e emocionalmente, sou imatura não assumo e não gosto de responsabilidades, sou dependente dos outros.

    Isto tudo somado a ansiedade a ao medo prejudicaram em muito a minha vida

    Escrevi muito, me desculpem e me ajudem, por favor?

    Um grande abraço,
    Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helena, de que jeito tomou staphiságria? qual ch? glóbulos ou gotas?

      Além disso tem floral pra ajudar: agrimory e vervain pode te ajudar - juntos. Uma vez por dia, 10 gts.
      Além disso, a dependencia deve ser vista com cuidado, pois sempre tem muito sentimento aí. E só quem sofre é quem sabe o quanto é difícil mudar. Pense em algo coletivo, um curso de teatro, de dança ou um esporte, sempre ajuda a ver a vida de outras pessoas e aumenta o nosso circulo de envolvimento com a vida.

      um abraço e esperamos a sua resposta.

      a equipe

      Excluir
  4. Sempre fui muito dependente dos meus pais e tenho muito medo de perde-los, da morte e de morrer. Há tb angústia, ansiedade, irritabilidade... Podem me ajudar com a homeopatia, florais...etc? Obrigada, Joana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Joana, a gente pode tentar te ajudar.

      Florais: vervain, alnut, olive e oak - 10 gts pela manhã, 10 a tarde e 10 a noite. Faça isso por 2 messes.

      Comece um diário, escreva o que sente, isso ajuda muito a compreendermos melhor as coisas.

      Leia ignátia amara e magnesia calc. depois nos diga o que achou.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  5. Gostaria de saber se a homeopatia pode ajudar em problemas de flacidez e envelhecimento de pele. Fisicamente sou muito mais envelhecida q os meus 50 anos. Tb sou meio flácida emocionalmente. Obrigada, Natália

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Natália,

      Na homeopatia existem descrições para envelhecimento precose: leia

      http://homeopatiaparamulheres.blogspot.com.br/2011/05/enfrente-menopausa-sem-medo-de-ser.html

      Lycopodium é uma boa leitua.

      De uso externo tem: creme de centelha asiática sem perfume e com filtro solar, ajudam muito.

      Outro fator é a alimentação e as Plantas medicinais em capsulas. (procure aqui no blog)
      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  6. As coisas parecem q nao evoluem comigo, é tudo enrolado, preso, difícil de andar. Eu até melhoro fisicamente e emocionalmente, mas é muito lentamente. Por favor, como vcs podem me ajudar. Grata, Janaína

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janaína, leia:

      http://homeopatiaparamulheres.blogspot.com.br/2010/12/actea-racemosa-e-personalidade-feminina.html

      http://homeopatiaparamulheres.blogspot.com.br/2011/03/os-sistemas-florais-e-alma-feminina-8.html

      um é flora e o outro homeopatia.

      veja e dê um toque

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  7. Preciso da homeopatia, pois sou muito indecisa nas minhas escolhas e opiniões (e não as sustento). Essa indecisão faz com que eu duvide do que escolhi, e volte atrás escolhendo outra coisa e assim vou vivendo; às vezes pergunto e me apoio em outra pessoa, mas mesmo assim, acho que errei e volto atrás. È um tal de ir e vir, nunca sei o que quero. Exemplos: Mudo de academia e de atividade varias vezes; mudei muito de emprego (hoje não trabalho), fiz muitos cursos, entro e saio de regimes, sou uma sanfona no manequim (engordo e emagreço); quero tudo e nada ao mesmo tempo. Não quero mais caminhar neste “labirinto”. Falta-me coerência! Obrigada, Ieda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ieda,

      os florais abrem muito esse caminho:

      http://homeopatiaparamulheres.blogspot.com.br/2011/03/os-sistemas-florais-e-alma-feminina-8.html

      mas, a indecisão pode ser vista em calcárea e em lycopodium, dê uma olhada nas duas, actae racenosa também.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  8. Oiii...Muito legal esse site. Please, estou gordinha e quero emagrecer, mas o problema é q adoro doces ( louca por chocolates). Tem como diminuir bem essa vontade? Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procure em PLANTAS MEDICINAIS EM CAPSULAS, poderá te ajudar. No caso da homeopatia precisamos saber mais sobre a sua personalidade, aí daremos dicas de possibilidades. Lembre-se, homeopatia não é receita de bolo.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
    2. Fujo dos problemas, magoo-me com facilidade, mas não demonstro. Sou estouradada (as vezes) e impaciente (sempre). Ajudou essas informações? Obrigada, Nena

      Excluir
    3. Nena,

      Graffites pode se encaixar e Nux vômica também - leia e me diga o que acha.

      um abraço

      a equipe

      Excluir
  9. Boa noite. Minha filha d 5 anos tem muita alergia (respiratória e pele) , apetite ruim e intestino preso. O q vcs sugerem? Obrigada, Fabiana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabiana,

      A prevenção a médio prazo é ideal nesses casos e depois levamos isso pra vida inteira.

      Xarope com mel, tanchagem, raiz de lotus e copaíba é muito bom e deve ser tomado de 2 a 4 vezes ao dia (1 colher de sobremesa).

      Diz pra gente o que ela costuma comer e no que se parece com você, com o pai ou com as pessoas da família.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  10. Olá, minha filha pequena roe as unhas. Tem como vcs me indicarem algo?
    Atenciosamente,
    Rosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só no caso das unhas, o homeopático mais conhecido é borax, entretanto um floral seria bom. Precisamos saber um pouco mais da personalidade dela.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  11. Tenho o defeito da má vontade. Sempre, mas sempre mesmo q eu me interesso por algo (trabalho, atividades continuas...) depois d algum tempo perco o interesse "fica enfadonho" e acabo abandonando; é "fogo d palha" como meus familiares dizem. Os senhores podem me ajudar? Agradeço muito, Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helena,

      Leia Pulsatilla e Avena Sativa, depois nos deica qual é mais parecida com vc.

      Mas já pode usar capsulas de Ruibarbo ( 250 mgr cada) - 1 cpl 2x ao dia.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
    2. Tenho uma timidez q não aparece, pois me mostro diferente, "brincalhona demais", entende. Mas, acho q sou tímida e fechada. Obrigada, Helena

      Excluir
    3. Helena,

      nossa sugestão é Staphiságria - na ch 30
      2 x ao dia - 50 batidas antes de cada tomada.

      um abraço,

      a equipe

      Excluir
  12. Bom dia. Eu tenho uma filha d 6 anos com um "geniosinho" (mau humor, gritos...) e gostaria dar algo para ajudá-la. Eu li, mas ainda não sei se ela é belladona, camomilla ou staphisagria. Pode me ajudar a diferenciar? Obrigada, Carla

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carla, na Belladonna a violência impera, tudo é brusco demais, súbito demais.

      Veja chamonilla e staphiságria - separe o máximo de sintomas emocionais, o que tiver mais é o favorito. Daí continuamos.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
    2. Oi, ela é assim: seu ataque de raiva vem, muitas vezes, sem nenhum motivo. De repente se inflama, se afasta e diz, pára de me olhar, não vou falar, pára, que chato, e empurra ou dá um soco leve e isso vem do nada e é o pior, pois é inesperado sem nenhum motivo. Ela joga coisas tb quando está com raiva, mas não na gente. As vezes se bate de tanta raiva de nós. Ela não se arrepende. E quando brigamos com ela, fica chorando e chorando, pq está triste. Ma, não pede desculpas por quanto própria, ou pq se arrepende. Ou eu vou e abraço ela e aí ela pede desculpas ou eu não sei...pois recuo e vou abracá-la para acabar o choro.
      Ela tb é bem teimosa, mas isso não é nada perto destes ataques de raiva.
      Muito grata pela ajuda, Carla

      Excluir
    3. Carla,

      por ser criança, sugerimos:

      1 gota de Belladonna na ch 5 - 2 x ao dia (por 30 dias)

      E o flral - Impatiens, vervain _________ 10 gts a noite/por 30 dias.

      Ela tem pesadelos?

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
    4. Obrigada pela indicação, vou seguir. Ela tem menos pesadelos agora, mas há pouco tempo atras tinha pesadelos dia sim, dia não, pesadelos q chegavam a me acordar. Obrigada pela ajuda, abraços, Carla

      Excluir
    5. Carla, depois da primeira fase, podemos indicar mais florais que acompanhem os períodos dela.

      mantenha contato

      um abraço,

      a equipe

      Excluir
  13. Aonde encontro as cápsulas? Qual farmácia faz? Agradeço, Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helena,

      nas farmácias de manipulação.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  14. Bom domingo. Preciso do auxílio da homeopatia, por favor? Sou uma pessoa cheia de vícios, manias e repetições. Não consigo ser eu mesma, fazer o que quero. Reconheço meus erros, mas não consigo lutar contra eles. Quero conseguir escolher! Obrigada, Roberta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roberta, nos diga:

      Qual seu maior medo?

      leia: avena sativa e nux võmica.

      um abraç,

      a eqipe.

      Excluir
    2. Olá, meu maior medo é q meus entes queridos morram. Tb tenho de morrer e depois q riam de mim (ser ridicularizada). Li a Avena e a Nux, tenho a ver com as duas, é possível? Obrigada pela atenção, Roberta

      Excluir
    3. É possível sim Roberta, antes leia Thuya e aí fechamos a questão.

      um abraço,

      a equipe

      Excluir
    4. Olá, tenho muito de Thuya tb, q loucura.

      Obrigada, Roberta

      Excluir
    5. Agora é quantidade Roberta, com qual das matérias as coisas se afunilam mais. Ser ridicularizada é minusvalia - isso é thuya, não suportar e reagir com raiva é nux vômica, ir pra cima e descontar.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir
  15. Eu até estouro sim, e muitas vezes, mas não é por ser ridicularizada. Eu tenho vergonha de ser e me encolho, é isso q eu faço. Evito me expor ( as vezes acontece, mas...) para não correr riscos e ser ridicularizada. Acho então q tá mias para thuya, né? Obrigada. Roberta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Roberta, é essa pequena diferença que se pode encaixar Thuya, é isso que te encolhe.

      Nossa sugestão é thuya na ch 30 - 10 gts por dia - durante mês e dê 30 batidinhas antes de cada tomada.

      Floral também ajuda - vervain, olive e oak - juntos - 20 gts antes de deitar, por 60 dias.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir

Postar um comentário

A ÚNICA CONDUTA ACEITA PARA COMENTAR É A GENTILEZA.

Postagens mais visitadas deste blog

LYCOPODIUM CLAVATUM

GELSEMIUM - O REMÉDIO DAS GRANDES SENSIBILIDADES

IGNATIA AMARA - A CHAVE DO EQUILÍBRIO