Amigos do Blog

Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

MATERIAL QUE VALE A PENA SER LIDO





REVISTA DE HOMEOPATIA 2012;75(1/2): 1-13

Estudo prospectivo observacional de uma série de casos de dor osteomusculoarticular crônica com organoterápicos associados ao tratamento homeopático convencional.
Isabel Horta
INTRODUÇÃO:

Medicamentos constitucionais (MC) são aqueles que apresentam semelhança individualizada com a totalidade sintomática característica dos pacientes, enquanto que os organoterápicos (OT) são matrizes medicamentosas preparadas a partir de elementos constituintes do corpo.

Tabela 1. Indicações dos preparados organoterápicos (OT) utilizados no estudo OT

Indicação

Tecido ósseo + ligamento + tendões
+ cartilagem - Dor osteoarticular - Tecido Sinovial e cápsula. Dor articular/Fibras musculares/Dores musculares/Nervo total/Dor envolvendo qualquer nervo, dormências e/ou edema/Nervos radial e mediano/Síndrome do carpo/Nervo ciático/Ciática/Disco intervertebral/Hérnia de disco.


NOSÓDIOS
Existe uma variada gama de terminologias para as diferentes substâncias : Os Nosódios, segundo Dr. FABIAN URIBE(1940) foram conceituados como produtos de origem patológica, experimentados homeopaticamente, isto é, que possuíram experimentação pura patogenesia própria, como Psorinum, Pyrogenium, Medhorrinum e rechaçam outras como Influenzinum, Botulinum, Micrococcinum,etc., qualificando-os como Isopáticos.
Já de acordo com ALLENDY (Manual de normas técnicas, 1994) são produtos de origem patológica, empregados como medicamentos segundo o uso homeopático das diluições. Tais medicamentos podem preparar-se a partir de um exsudato, pus, micróbio, pedaço de tecido enfermo, um parasito. Assim, nesta explanação, os Nosódios não são unicamente aqueles produtos de origem patológica que passaram pela experimentação pura, prévia com atenuação, mas todos aqueles que reúnam os dois requisitos que definem esta classe de medicamentos, isto é, produtos de origem patológica e que são utilizados em diluições ou atenuações segundo o Princípio de Similitude, seja similitude sintomática ou etiológica.
Na Matéria Medica de CLARKE (1978) verifica-se que foi o próprio Hahnneman quem fez a primeira experimentação com nosódios, a partir do,líquido extraído de uma vesícula sarnosa . Surgiu então o Psorinum. O indivíduo não precisa estar com sarna para ser curado por Psorinum, mas terá grande melhora clínica ou cura de qualquer alteração mórbida, se estiver presente a sintomatologia similar, como debilidade geral, falta de reação vital, evacuações fétidas junto com prurido, bulimia, etc.
Podemos também tomar como exemplo o “Syphillinum” ou “Luesinum” onde o indivíduo doente não precisar ter sífilis, mas se tiver sintomas como desejo de álcool, vontade de lavar as mãos constantemente, será aliviado de qualquer enfermidade que apresentar..
De modo geral, há uma tendência para se considerar que os nosódios sejam produtos mais ou menos “estandartizados”, aplicáveis a qualquer enfermo segundo o princípio de semelhança, enquanto que os isopáticos são produtos que correspondem a um princípio de identidade com o agente patogênico.
ISOTERÁPICOS
A isopatia (equalia equalibus) data de Galeno, dos médicos alquimistas e dos Espagíricos de Paracelso. Entre os primeiros se encontra Robert Fludd, que dizia: “O espírito de um tísico, depois de preparação apropriada, cura a tisis” (BROTTEAUX,1947). Foram o Dr. Hering em 1810 e o veterinário Wilheim Lux em 1833, quem incentivaram e disseminaram a técnica da isopatia ou isoterapia , e entre outros tivemos o Dr. Benoit-Jules Mure, que chegou ao Brasil em 1840 e em nossos dias, o saudoso Dr. Roberto Costa, que trabalhou incansavelmente até poucos anos atrás.
HAHNNEMAN em seu Organon – & 56 – (1995) disse “…que haveria também outro meio de tratar as enfermidades, ou seja, pela isopatia, isto é, tratando uma enfermidade pelo miasma que a produziu; mas mesmo que isso fosse possível, o qual seria um descobrimento precioso, como não se administraria o miasma ao enfermo, senão até após havê-lo modificado até certo ponto pelas preparações a que se submeteria, a cura só teria lugar neste caso, opondo-se um simillimum a um simillimum. … Mas a vacina e a varíola só são semelhantes e de modo algum igual à enfermidade” .
Como se vê, o Mestre não desdenhava a isopatia ou isoterapia e ainda a qualificava dentro da Lei dos Semelhantes, com a ressalva que somente o verdadeiro medicamento homeopático teria ação de similitude, com a capacidade da cura definitiva do indivíduo como um todo. Mas ele estava consciente que as primeiras vacinas anti-variólicas, consideradas como isoterapia atenuaram a carga morbífica da verdadeira praga que era as epidemias de varíola de seu tempo. Na verdade, o modo de ação destas medicações assemelham-se muito com o atual estudo sobre a ação de substâncias sobre a potencialização dos mecanismos de defesa do indivíduo, em especial os peptídeos microbicidas.
Além das descrições já vistas, podemos citar ainda os medicamento chamados opoterápicos ou organoterápicos, advindos de hormônios e fluidos metabólicos orgânicos (Folliculinum, Cholesterinum, Thyroidinum, Cortisol, etc), utilizados em distúrbios endócrinos ou como moduladores imunológicos.


BIOTERÁPICOS
Nos últimos anos ocorreu uma normatização destes muitos fármacos e surgiu o “Manual de Normas Técnicas para Farmacêuticos Homeopatas”(1994). Temos então:

BIOTERÄPICOS “CODEX”- a partir de soros, vacinas, toxinas ou anatoxinas inscritos na Farmacopéia Francesa . Entre eles Aviarium, Diphterinum, Influenzinum, Staphylococcinum, Turbeculinum(TK), etc.;

BIOTERÄPICOS SIMPLES - a partir de “vacinas estoques”, constituídos por culturas microbianas pras, lisadas e atenuadas em condições determinadas.Como exemplos temos Colibacillinum, Enterococcinum, Staphylococcinum, Streptococcinum, Paratyphoidinum B, etc.;

BIOTERÄPICOS COMPLEXOS – são definidos pelo seu modo de obtenção (secreções ou excreções patológicas) ou seu modo de preparo.podemos observar o Anthracinum,o Luesinum, o Medorrhinum, o Morbilinum, o Pertussinum, o Psorinum, o Pyrogenium, o Oscilococcinum,etc.;

BIOTERÁPICOS DO DR. ROBERTO COSTA- são preparados com microorganismos vivos ou alérgenos na escala decimal, por fluxo contínuo. Alguns deles são: Acaro, Apis mellifica, Acetilcolina, Blatta orientalis, Brucella complexo, Candida albicans, Cristalinum, Culex irritans, Carrapato canino, Dermatophagoidinum farinae, Dermatophagoidinum, pteronyssus. E.coli, Herpes nosódio, Histaminum, mofo, pelo, poeira e germes respiratórios, Pulmão, Histaminum, Seroronina, St. complexo, Streptococcus complexo.
Além destes, citam-se Botulinum, Carcinosinum, Cholesterinum, Hydrophobinum, Oscilococcinum, Pertussin, Pyrogenium, Thyroidinum, Vaccininum, Variolinum, etc.
Existem vários trabalhos sobre a comprovação clínica da ação dos medicamentos bioterápicos. O medicamento Carcinosinum, cujas preparações iniciais foram feitas por KENT, BURNETT e por CLARKE no século XIX, pode ser considerado um produto verdadeiramente homeopático, a partir de epitelioma maligno mamário feminino, agindo na esfera mais abstrata, ligada a sintomas psicossomáticos secundários a transtornos emocionais ligados a perdas e também naquelas crianças com história familiar de câncer, diabete, anemias perniciosas, tuberculose, sendo que suas indicações estão ligadas a uma numerosa variedade de sintomas. Como isoterápico, é muito útil no controle do crescimento de tumores expansivos (GIBSON, 1987).

Referências Bibliográficas
ABFH. Manual de Normas Técnicas para a Farmácia Homeopática. Revista de Homeopatia, vol 59(1):16-20, 1994 São Paulo.
ALLEN,H.C. Allen’s Keynotes & Characteristics of the Materia Medica with Nosodes. Jain Publishing Co, New Delhi .6a ed. 1980.388 pps
ALLEN,H.C. The Materia Medica of the Nosodes with Proving of the Ray X Ray Jain Publishing Co, New Delhi 1977.BROTTEAUX,P. Homeopathie et Isopathie.
Libraire Le François. Paris, 1947.258pps.
CASTRO, A A Vacina Tríplice : Sua Aplicação como Nosódio. Revista Homeopática, 162: 12-5, jul-set, 1984. São Paulo.
CASTRO,D. & NOGUEIRA,G.G. Use of Nosode Meningoccoccinum as a Preventive against Meningitis.
Journal of the American Institute of Homeopathy. 1985.pps 211-229
CLARIS,A.Espaces Nouveaux de Médicine. Éditions Robert Laffont.Paris, 1977.307pps.
COODE, N. E. Homoeopathic Nosode Questionnaire.
Veterinary Record, 132(26): 664, 1993
COSTA,P. Nosódios v Vvios e Atenuados e Nosódio-Terapia. Revista de Homeopatia, 173:34-5, abr-jun, 1987.
DAFFRE,S et al. Peptídeos Antibióticos. Biotecnologia, Ciência & Desenvolvimento , no. 23 , nov-dez,2001 Informação obtida pela Internet
DAY,C. Thw Homeopathic Treatment os Small Animals.——-
DE LANGE,K.E. A Homoeopaathic Nosode for Influenza-like Syndromes. Forsch Komplementarmed, 6 (1): 31. feb. 1999
DE MEDIO,H. Introduction a la Veterinaria Homeopática. Ed. Albatroz. Argentina.1993,190pps.
DE SIMONE, S.G.; SOUZA,A L. A. Peptídeos Microbicidas- uma alternativaViável para a terapia antimicrobiana. Biotecnologia, Ciência e Desenvolvimento. Informação obtida pela Internet: http// www.biotecnologia.com.Br/bio24/2.html
DE SIMONE, S.G.; SOUZA,A L. A Peptídeos Microbicidas. Biotecnologia, Ciência e Desenvolvimento, no 24, jan-fev 2002. informação pela Internet
DELLMOUR,F. Homoeopathic Remedies: How Can We Use Reliable Crude Substances in Accordance with Materia Medica.
European Committee for Homoeopathy. March,1998.
DUPRAT, H. A Teoria e a Técnica da Homeopatia.Ed.———–1974.198 pps.
EISFELDER,H.W. Poliomyelitis Immunization – a Final Report .Journal of the American Institute of Homeopathy.
1961. ==== pp
ELIZALDE,A M. Actas del Instituto Internacional de Altos Estúdios Homeopáticos “James Tyler Kent”. Ano I,maio 1985, no 3. Buenos Aires.Argentina. I-55.
ELIZALDE,A M. Escola Kentiana do Rio de Janeiro. 1987/1988. —–pps
ELIZALDE,A M. 2o Curso de Homeopatia Unicista do Instituto Hahnemaniano do Brasil. Apostila IV. Maio 1984. Rio de Janeiro.—pps
ELIZALDE,A M. 3o Curso de Homeopatia Unicista do Instituto Hahnemaniano do Brasil. Apostila V. Maio 1985. Rio de Janeiro.—pps
GERALDINO,J.M. Ensaios Clínicos com o Bioterápico Trypanossoma cruzii D30 Nas Formas Crônicas e Sintomáticas da Doença de Chagaas. Pesquisa Homeopática (2): 49-64, jul-dez, 1986
KOSSAK , A R Isoterapia pelo Petróleo em Dermatoses Desencadeadas por seus Derivados. Revista de Homeopatia, 1977.
KOSSAK , A R Aspectos Clínicos e Farmacológicos de Carcinosinum. Revista Homeopática 55(2): 61-3, abr-jun, 1990. São Paulo.
LABONNE, W; PRADO,M.I.A ; FURTADO.M.F.D. Ação das Doses Mínimas na Proteção do Envenenamento ofídico de Animais de Laboratório
LITTLE,D. Nosodes in Homoeopathy. New Zeland.6pps.1997
LOPES,R.A : NASI, A M.T.T.; RIBERIO,R.D; PRADO JR.V. Estudo Histopatológico de Alterações do Fígado e Coração de Camundongos Inoculados com Trypanossoma cruzii e Tratados com o Bioterápico D30. Pesquisa Homeopática (1): 14-8, jan-jun, 1986.
LUCHESI F.A; SANTOS,E dos; ASRIKI,J. Aplicação de Calcarea phosphorica em Osteodistrofia Fibrosa em Frangos de Corte.
Pesquisa Homeopática(5): 26-31,jan- jun, 1988.-
MC LEOD,G. 1987 The Genius Epidemicus Remedies. 1999. 3 pps.
MEHAN,D.S. The Dangers of Vaccinations and the Advantages of Nosodes for Disease Prevention.
Haley Road.Boring,OR. 3pps.
NASI,A M.T.T; RIBEIRO,R.O. ; LOPES,R.A. Lise do Trypanossoma cruzii “in vitro”através da utilização de soros de animais tratados com Bioterápico D 30.
NASI,A M.T.; RIBEIRO,R.D.; LOPES,R.A Utilização de soros de Camundongos e Ratos Tratados com Bioterápico D30 em Reações de Aglutinação com Trypanossoma cruzii . Pesquisa Homeopatica (1);9-10, jan-jun, 1986.
PANCET,J.E. Bioterápicos e Vacinas (trad. Cardoso,F.C.M) Revista Brasileira de Homeopatia. 1 (1). 31-33, 1991.
PARROT,R. L’ísothérapie dans as Forme Individuelle.- Auto-Isothérapie. Editons Doin-Deren e Cie. 1967.158 pps.
PASCHERO, T.P. Homeopatia. Ed.————1975. 600 pps.
PINTO,R. A Homeopatia na Medicina Veterinária ( Trad.. Cardoso,F.C.M ) Revista Brasileira de Homeopatia. 1 (1). 36-37, 1991.
PRATES, M.V. ; Jr BLOCK, C. Peptídeos Antimicrobianos. Biotecnologia, Ciência & Desenvolvimento. 2001 Informação obtida na Internet
RIBEIRO,R.D. : NASI,A M.T.T. & LOPES,R.A Reações de Aglutininas com Trypanossoma cruzii e Soro de Ratos Tratados com Bioterápico D30 em Presença de Complemento
RIBEIRO,R.D. ;LOPES,R.A. ; NASI,A M.T.T. Estudo da Participação da Imunidade Humoral e Celular na Doença de Chagas Experimental com Camundongos tratados com o Bioterapico D30.Pesquisa Homeopática(1):11-3, jan-jun, 1986.
SHEPHERD,D. Homoeopathy in Epidemic Diseases. B. Jain Publishers Pvt. Ltda.New Delhi.1985.100 pps.
TAYLOR,S.M.; MALLON,T.R.: GREEN,W.P. Efficacy of a Homoeopathic Prophylaxis Against Experimental Infection of Calves by the Bovine Lungworm Dictyocaullus viviparous.
The Veterinary Record. Jan.1989. pp15
URIBE,F. Los Nosodes. Geralidades. México.D.F., 1940, —–pps
VERÏSSIMO,C.J. Utilização do Nosódio Carrapatinum em Bovinos Sensíveis ao Carrapato Boophilus Microplus. Pesquisa Hoemopática (5): 211111-5, jan-jun, 1988.
Grupo de Estudos Homeopáticos de São Paulo “Benoit Mure”. Doutrina Medica Homeopática.1986.1038pps.
Méthode Homeopathique. Nosodes. Isotherapiques. Biotherapiques.———198pps
Selecta Homeopática. A observação do Sintoma Homeopático. Booenninghausen, Close, Hahnemann, Boger. Grupo de Estudos Homeopaticos James Tyler Kent.jan-março. 1993.48pps.
Revista Homeopatica. Publicação da Associação Paulista de Homeopatia. As quatro similitudes. Vol.59. nos.3-4.1994
Revista Homeopatica. Publicação da Associação Paulista de Homeopatia..vol.59. no.11.1993. —pps.
Proceedings dos Anais do XLI da Liga Medica Homeopática Intenacional. RJ. 8-12 set.1986.397 pps.
-17.
Carcinosinum: Bioterápico de Origem Cancerosa. Revista Homeopática . (161): 3-6. abr-jun, 1984. São Paulo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquise por matéria específica