Amigos do Blog

Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 25 de agosto de 2013

ORGANON - 6º EDIÇÃO *




6 ª Edição traduzido por Boericke
 
 
Elevada e única missão do médico é para restaurar a saúde do doente, a cura, como é denominado. 1
Uma sua missão não é, no entanto, para a construção de sistemas ditos, pelo entrelaçamento especulações vazias e hipóteses relativas à natureza essencial interna dos processos vitais e o modo em que as doenças originadas no interior do organismo, (sobre que tantos os médicos têm até então ambiciosamente desperdiçado seu talento e seu tempo), nem é para tentar dar inúmeras explicações sobre os fenômenos das doenças e sua causa próxima (o que deve permanecer oculto), envolto em palavras ininteligíveis e um modo abstrato inflado de expressão, que deve som muito aprendeu, a fim de surpreender os ignorantes - enquanto suspira humanidade doentes em vão por ajuda. De tais devaneios aprendidas (ao qual o nome da medicina teórica é dada, e para o qual cátedras especiais são instituídos), tivemos o bastante, e agora é hora de que todos os que se chamam os médicos devem finalmente deixar de enganar a humanidade sofredora com mera conversa, e começar agora, em vez disso, pela primeira vez de agir, isto é, realmente para ajudar e curar.
 
 
O mais alto ideal de cura é rápida e suave permanente restauração, da saúde, ou remoção e aniquilamento da doença em toda a sua extensão, no caminho mais curto, mais confiável e mais inofensiva, em princípios facilmente compreensíveis.
 
 
Se o médico percebe claramente o que é para ser curada em doenças, isto é, em cada caso individual, da doença (o conhecimento da doença, indicação), se percebe claramente que é curativo nos medicamentos, isto é, em cada indivíduo medicina (conhecimento dos poderes medicinais), e se ele sabe como se adaptar, de acordo com princípios bem definidos, o que é curativo em medicamentos para o que ele descobriu ser, sem dúvida, mórbido em que o paciente, de modo que a recuperação deve acontecer - para adaptá-lo , bem como no que diz respeito à adequação do medicamento mais apropriado de acordo com seu modo de ação ao caso diante dele (a escolha do remédio, o medicamento indicado), como também no que diz respeito ao modo exato de preparo e quantidade do que necessário (dose apropriada), eo período adequado para repetir a dose, - se, finalmente, conhece os obstáculos para a recuperação, em cada caso e está ciente de como removê-los, de modo que a restauração pode ser permanente, então ele sabe como tratar criteriosamente e de forma racional, e ele é um verdadeiro praticante da arte de curar.
 
 
Ele é também um preservador da saúde, se ele sabe as coisas que derange saúde e doença causa e como removê-los de pessoas na área da saúde.
 
 
Útil para o médico a ajudá-lo a curar são as particularidades da causa excitante mais provável da doença aguda, como também os pontos mais importantes de toda a história da doença crônica, para capacitá-lo a descobrir a sua causa fundamental, que é geralmente devido a um miasma crônico. Nessas investigações, a constituição física verificável do paciente (especialmente quando a doença é crônica), seu caráter moral e intelectual, a sua ocupação, modo de vida e hábitos, suas relações sociais e domésticas, sua idade, função sexual, etc, devem ser tomadas em consideração.
 
§ 6 Fifth Edition
 
O observador imparcial - bem consciente da futilidade de especulações transcendentais que pode receber nenhuma confirmação da experiência - seja o seu poder de penetração sempre tão grande, toma nota de nada em cada doença individual, exceto as mudanças na saúde do corpo e da mente (fenômenos mórbidos, acidentes, sintomas), que pode ser percebido externamente por meio dos sentidos, ou seja, ele percebe apenas os desvios em relação ao ex-estado de saúde do indivíduo doente agora, que são sentidas pelo próprio paciente, observou por aqueles que o rodeiam e observado pelo médico. Todos estes sinais perceptíveis representam a doença em toda a sua extensão, isto é, em conjunto, formam o retrato verdadeiro e único concebível da doença. 1
1 Eu não sei, por isso, como foi possível para os médicos no doente-cama para permitir-se supor que, sem mais cuidadosamente atendendo aos sintomas e ser guiado por eles no tratamento, eles devem procurar e poderia descobrir, só no interior oculto e desconhecido, o que havia para ser curado da doença, com arrogância e ridiculamente fingindo que eles poderiam, sem prestar muita atenção aos sintomas, descubra a alteração que ocorreu no interior invisível, e configurá-lo para direitos com medicamentos (unknown!), e que tal procedimento, pois isso pode apenas ser chamado tratamento radical e racional.
Não é, então, o que é perceptível pelos sentidos em doenças através dos fenômenos que ele exibe, a própria doença nos olhos do médico, já que ele nunca pode ver o ser espiritual que produz a doença, a força vital? nem é necessário que ele deve vê-lo, mas apenas que ele deve determinar suas ações mórbidas, a fim de que ele possa, assim, ter a possibilidade de curar a doença. O que mais será a busca da velha escola no interior escondido do organismo, como uma prima Causa morbi, enquanto eles rejeitam como objeto de cura e desprezo desprezar a representação sensível e manifesta da doença, os sintomas, que tão claramente dirigir-se para nós? O que mais eles querem curar a doença, mas estes? *
* O médico cujas pesquisas são direcionadas para as relações escondidas no interior do organismo, pode diária errar, mas o homoeopathist que agarra com cuidado necessário todo o grupo de sintomas, possui um guia seguro, e se ele conseguiu retirar todo o grupo de sintomas que ele foi igualmente mais seguramente destruiu a, causa oculta interna da doença.
 
§ 6 Sexta Edição
 
O observador imparcial - bem consciente da futilidade de especulações transcendentais que pode receber nenhuma confirmação da experiência - seja o seu poder de penetração sempre tão grande, toma nota de nada em cada doença individual, exceto as mudanças na saúde do corpo e da mente (fenômenos mórbidos, acidentes, sintomas), que pode ser percebido externamente por meio dos sentidos, ou seja, ele percebe apenas os desvios em relação ao ex-estado de saúde do indivíduo doente agora, que são sentidas pelo próprio paciente, observou por aqueles que o rodeiam e observado pelo médico. Todos estes sinais perceptíveis representam a doença em toda a sua extensão, isto é, em conjunto, formam o retrato verdadeiro e único concebível da doença. 1
1 Eu não sei, por isso, como foi possível para os médicos no doente-cama para permitir-se supor que, sem mais cuidadosamente atendendo aos sintomas e ser guiado por eles no tratamento, eles devem procurar e poderia descobrir, só no interior oculto e desconhecido, o que havia para ser curado da doença, com arrogância e ridiculamente fingindo que eles poderiam, sem prestar muita atenção aos sintomas, descubra a alteração que ocorreu no interior invisível, e configurá-lo para direitos com medicamentos (unknown!), e que tal procedimento, pois isso pode apenas ser chamado tratamento radical e racional.
Não é, então, o que é perceptível pelos sentidos em doenças através dos fenômenos que ele exibe, a própria doença nos olhos do médico, já que ele nunca pode ver o ser espiritual que produz a doença, a força vital? nem é necessário que ele deve vê-lo, mas apenas que ele deve determinar suas ações mórbidas, a fim de que ele possa, assim, ter a possibilidade de curar a doença. O que mais será a busca da velha escola no interior escondido do organismo, como uma prima Causa morbi, enquanto eles rejeitam como objeto de cura e desprezo desprezar a representação sensível e manifesta da doença, os sintomas, que tão claramente dirigir-se para nós? O que mais eles querem curar a doença, mas estes?
 
 
Agora, como uma doença, a partir do qual não se manifestar causa excitante ou manter (Causa occasionalis) tem que ser removido 1, podemos perceber nada, mas os sintomas mórbidos, deve (tendo em conta a possibilidade de um miasma, e atenção às circunstâncias acessório, § 5) ser os sintomas sozinho, através da qual as exigências da doença e aponta para o remédio adequado para aliviar - e, por outro lado, a totalidade destes seus sintomas, da imagem reflectida para fora da essência interna da doença , isto é, do carinho da força vital, deve ser o principal ou o único meio, segundo o qual a doença pode tornar conhecido o remédio exige - a única coisa que pode determinar a escolha da solução mais adequada - e, portanto, em uma palavra, a totalidade dois dos sintomas deve ser o principal, na verdade a única coisa que o médico tem de tomar nota de em todos os casos da doença e para remover, por meio de sua arte, a fim de que ele será curado e transformado em saúde.
1 Não é necessário dizer que todo médico inteligente que primeiro remover este onde ele existe, o mal-estar logo a seguir geralmente cessa espontaneamente. Ele irá remover das flores quarto com cheiro forte, que têm uma tendência para provocar sofrimentos síncope e histérica; extrair da córnea do corpo estranho que excita a inflamação do olho; afrouxar o curativo sobre estanque num membro ferido que ameaça provocar mortificação, e aplicar um mais adequado; desnudar e colocar ligadura na artéria feridos que produz desmaio; se esforçar para promover a expulsão de vômitos bagas de beladona etc, que podem ter sido engolidas; extrair substâncias estranhas que podem ter entrado na orifícios do corpo (nariz, garganta, ouvidos, uretra, reto, vagina); esmagar o cálculo vesical; abrir o ânus imperfurado do recém-nascido, etc
2 Em todos os tempos, os médicos da velha escola, sem saber que outra forma de dar alívio, têm procurado combater e se possível suprimir por medicamentos, aqui e ali, um único sintoma, de entre um número de doenças - um procedimento unilateral, que, sob o nome de tratamento sintomático, foi justamente animado desprezo universal, porque, por ele, não só não era nada ganhou, mas muito dano foi causado. Um único dos sintomas presentes não é mais que a própria doença do que um pé é o próprio homem. Este procedimento é tanto mais condenável, que um único sintoma, só foi tratado por um remédio antagônica (portanto, só de uma forma enantiopathic e paliativos), segundo o qual, depois de um ligeiro alívio, foi posteriormente apenas prestados tudo pior.
 
 
Não é concebível, não pode ser provado por qualquer experiência no mundo, que, após a remoção de todos os sintomas da doença e de todo o conjunto dos fenômenos perceptíveis, deveria ou poderia permanecer qualquer outra coisa além de saúde, ou que mórbido a alteração no interior poderia permanecer uneradicated 1.
1 Quando um paciente foi curado da doença por um verdadeiro médico, de tal maneira que qualquer vestígio da doença, qualquer sintoma mórbido, sobras, e todos os sinais de saúde tenham regressado permanentemente, como pode qualquer pessoa, sem oferecer um insulto o senso comum, afirmam em tal indivíduo a doença corporal todo ainda permanece interior? E ainda o chefe da velha escola, Hufeland, afirma isso nas seguintes palavras: Homeopatia pode remover os sintomas, mas a doença continua a ser (Vide Homöopathie, p.27, 1, 19). Isso ele mantém parte da mortificação no progresso. feita pela homeopatia para os benefícios da humanidade, em parte porque ele ainda se mantém completamente as noções de materiais respeitando doença, que ele ainda não é capaz de considerar como um estado de ser do organismo em que é dinamicamente alterado pela força vital morbidamente enlouquecido, como alterado estado de saúde, mas ele vê a doença como algo de material, o qual após a cura é completada, pode ainda permanecer ocultos num canto no interior do corpo, a fim de, durante um dia a saúde mais vigorosa, ao irromper em o seu prazer com a sua presença no material! Tão terrível ainda é a cegueira da velha patologia! Não é à toa que ele só poderia produzir um sistema de terapêutica que se ocupa com vasculhando o pobre paciente.
 
 
Na condição saudável do homem, a força vital espiritual (autocracia), a dynamis que anima o corpo material (organismo), as regras com poder ilimitado e mantém todas as partes do organismo em admirável harmonia operação, vital, tanto no que respeita sensações e funções, de modo que a nossa habitação, mente razão dotado pode livremente dispor desse instrumento vivo e saudável para o propósito maior de nossa existência.
 
§ 10 Quinta Edição
 
O organismo material, sem a força vital, é capaz de nenhuma sensação, nenhuma função, nenhuma auto-preservação 1, deriva todas as sensações e executa todas as funções da vida exclusivamente por meio do ser imaterial (a força vital) que anima as organismo material na saúde e na doença.
É um morto, e só sujeito ao poder do mundo físico externo, que decai, e é novamente resolvido em seus constituintes químicos.
 
§ 10 Sexta Edição
 
O organismo material, sem a força vital, é capaz de nenhuma sensação, nenhuma função, nenhuma auto-preservação 1, deriva todas as sensações e executa todas as funções da vida exclusivamente por meio do ser imaterial (princípio vital) que anima as organismo material na saúde e na doença.
É um morto, e só sujeito ao poder do mundo físico externo, que decai, e é novamente resolvido em seus constituintes químicos.
 
§ 11 Quinta Edição
 
Quando uma pessoa fica doente, é só isso, a auto ação (automático) força vital espiritual, presente em toda parte em seu organismo, que é principalmente perturbado pela dinâmica uma influência sobre ela de um agente morbífico inimiga da vida, é apenas o vital força, para um estado desordenado tais anormal, que pode fornecer o organismo com as suas sensações desagradáveis, e inclina-o para os processos irregulares que chamamos de doença, pois, como um poder invisível em si, e somente reconhecível pelos seus efeitos sobre o organismo, sua perturbação mórbida só se faz conhecido pela manifestação da doença nas sensações e funções dessas partes do organismo expostos aos sentidos do observador e do médico, ou seja, por sintomas mórbidos, e de nenhuma outra forma ele pode tornar-se conhecido .
1 peccans Materia!
 
§ 11 Sexta Edição
 
Quando uma pessoa fica doente, é só isso, a auto ação (automático) força vital espiritual, presente em toda parte em seu organismo, que é principalmente perturbado pela dinâmica uma influência sobre ela de um agente morbífico inimiga da vida, é apenas o vital força, para um estado desordenado tais anormal, que pode fornecer o organismo com as suas sensações desagradáveis, e inclina-o para os processos irregulares que chamamos de doença, pois, como um poder invisível em si, e somente reconhecível pelos seus efeitos sobre o organismo, sua perturbação mórbida só se faz conhecido pela manifestação da doença nas sensações e funções dessas partes do organismo expostos aos sentidos do observador e do médico, ou seja, por sintomas mórbidos, e de nenhuma outra forma ele pode tornar-se conhecido . 2
1 peccans Materia!
2 O que é influência dinâmica, - poder dinâmico? Nossa terra, em virtude de uma energia invisível escondido, leva a lua ao redor dela em 28 dias e várias horas, ea lua, alternadamente, em definitivo horários fixos (dedução de certas diferenças que ocorrem com a lua cheia e nova) levanta nosso norte mares para inundar maré e, novamente, correspondentemente diminui-los a diminuir. Aparentemente, isso não ocorre por meio de agências de materiais, não através de artifícios mecânicos, como são usadas para produtos do trabalho humano, e assim vemos inúmeros outros eventos sobre nós como resultado da ação de uma substância em outra substância sem ser capaz de reconhecer um sensível conexão entre causa e efeito. Somente o culto, praticado em comparação e dedução, pode formar para si mesmo uma espécie de idéia supra-sensual suficiente para manter tudo o que é material ou mecânica em seus pensamentos a partir de tais conceitos. Ele chama tais efeitos dinâmica, virtual, ou seja, como resultado de absoluto, específico, pura energia e ação do que uma substância após a outra substância.
Por exemplo, o efeito dinâmico das influências doente de decisões sobre o homem saudável, bem como a energia dinâmica dos medicamentos sobre o princípio da vida na restauração da saúde é nada mais do que a infecção e, portanto, não em qualquer material de modo, não em qualquer maneira mecânica. Assim como a energia de um ímã, atraindo um pedaço de ferro ou aço não é material, não mecânica. Vê-se que o pedaço de ferro é atraído por um pólo do ímã, mas como isso é feito não é visto. Esta energia invisível do ímã não necessita de meios mecânicos (material) auxiliares, gancho ou alavanca, para atrair o ferro. O ímã atrai para si e este age sobre o pedaço de ferro ou sobre uma agulha de aço por meio de um puramente imaterial invisível, conceitual, energia inerente, isto é, de forma dinâmica, e se comunica com a agulha de aço a energia magnética igualmente invisível (dinamicamente) . A agulha de aço se torna magnético, mesmo à distância, quando o ímã não tocá-lo, e magnetiza outras agulhas de aço com a mesma propriedade magnética (dinamicamente) com o qual ele tinha sido endowered anteriormente pela haste magnética, assim como uma criança com um pequeno -pox ou sarampo comunica a uma criança perto, intocado saudável de uma maneira invisível (dinamicamente) a varíola ou o sarampo, ou seja, infecta-lo à distância, sem que nada o material da criança infectante indo ou capaz de ir para o único a ser infectado. Uma influência conceptual puramente específica comunicada ao perto criança varíola ou sarampo, da mesma maneira que o íman comunicada à agulha perto da propriedade magnética.
De maneira similar, o efeito dos medicamentos sobre o homem vivo é para ser julgado. As substâncias, que são utilizados como medicamentos, são apenas na medida em que possuem cada um a sua própria energia específica para alterar o bem-estar do homem através, influência conceptual dinâmico, por meio da fibra sensorial vivo, mediante o princípio de controlo de medicamentos conceptual vida. A propriedade medicinal dessas substâncias materiais que chamamos de medicamentos adequados, refere-se apenas a sua energia para chamar alterações no bem-estar da vida animal. Somente após este princípio conceitual de vida, sua saúde depende de alteração, conceitual influência medicinal (dinâmico). Assim como a proximidade de um pólo magnético podem comunicar apenas com a energia magnética de aço (isto é, por um tipo de infecção), mas não pode comunicar outras propriedades (por exemplo, mais dureza ou ductilidade, etc.) E assim a cada altera substância medicinal especiais através de uma espécie de infecção, que o bem-estar do homem de uma maneira peculiar exclusivamente a sua própria e não de uma forma peculiar de outro medicamento, tão certo como a proximidade da criança doente com varíola vontade comunicar a uma criança saudável apenas varíola e sarampo não. Estes medicamentos actuam sobre o nosso bem-estar totalmente sem comunicação de partes materiais das substâncias medicinais, assim, de forma dinâmica, como se através de infecção. Muito mais energia de cura é expressa em um caso em apreço pelo menor dose dos melhores medicamentos dinamizados, na qual não podem ser, de acordo com o cálculo, apenas tão pouco de substância material que sua pequenez não pode ser pensado e concebido pelo melhor mente aritmética , do que por grandes doses do mesmo medicamento em substância. Esta dose menor pode, portanto, conter quase inteiramente apenas o livremente desenvolvido, energia medicinal puro, conceitual e trazer apenas dinamicamente tais grandes efeitos como nunca pode ser alcançado pelas substâncias medicinais bruto em si tomadas em grandes doses.
Não é nos átomos corpóreos desses medicamentos altamente dinamizados, nem suas superfícies físicas ou de cálculo (com o qual estão sendo interpretadas as energias mais elevadas dos medicamentos dinamizados, mas em vão, como ainda suficientemente material) que a energia medicinal é encontrado. Mais provavelmente, não se encontra invisível no glóbulo humedecido ou na sua solução, uma força revelado libertado, específica, medicinal contido na substância medicinal que actua dinamicamente pelo contacto com a fibra animal vivo sobre todo o organismo (sem lhe comunicar a qualquer coisa material porém altamente atenuada) e atua mais fortemente quanto mais livre e mais imaterial da energia tornou-se, através da dinamização.
É então que totalmente impossível para a nossa idade celebrada por sua riqueza em pensadores claros para pensar de energia dinâmica como algo não-corpórea, uma vez que vemos fenômenos diárias que não podem ser explicados de outra maneira? Se olharmos em cima de algo náuseas e torna-se inclinado a vomitar, teve um emético material de entrar em seu estômago, o que o obriga a este movimento anti-peristálticos? Não foi apenas o efeito dinâmico do aspecto repugnante sobre a sua imaginação? E se alguém levanta o braço, ele ocorre por meio de um instrumento visível material? uma alavanca? Não é apenas a energia dinâmica conceitual de sua vontade, que levanta-lo?
 
§ 12 Quinta Edição
 
É a força vital morbidamente afetada sozinho que produz uma doença, de modo que os fenômenos mórbidos perceptíveis aos nossos sentidos expressar, ao mesmo tempo, toda a mudança interna, isto é, todo o desarranjo mórbido da Dynamis interna, em uma palavra, revelam toda a doença e, por conseguinte, também, o desaparecimento sob tratamento de todos os fenómenos mórbidos e de todas as alterações mórbidos que diferem das operações vitais sadios, certamente afeta e implica necessariamente o restabelecimento da integridade da força vital e, por conseguinte , a saúde recuperados de todo o organismo.
1 Como a força vital faz com que o organismo a apresentar fenômenos mórbidos, isto é, como se produz a doença, seria de nenhuma utilidade prática para o médico para saber, e para sempre permanecerá escondida dele, apenas o que é necessário para ele saber da doença e que é totalmente suficiente para permitir que ele para curá-lo, tem o Senhor da vida revelada a seus sentidos.
 
§ 12 Sexta Edição
 
É a energia vital morbidamente afetada sozinho que produz uma doença, de modo que os fenômenos mórbidos perceptíveis aos nossos sentidos expressar, ao mesmo tempo, toda a mudança interna, isto é, todo o desarranjo mórbido da Dynamis interna, em uma palavra, revelam toda a doença e, por conseguinte, também, o desaparecimento sob tratamento de todos os fenómenos mórbidos e de todas as alterações mórbidos que diferem das operações vitais sadios, certamente afeta e implica necessariamente o restabelecimento da integridade da força vital e, por conseguinte , a saúde recuperados de todo o organismo.
1 Como a força vital faz com que o organismo a apresentar fenômenos mórbidos, isto é, como se produz a doença, seria de nenhuma utilidade prática para o médico para saber, e para sempre permanecerá escondida dele, apenas o que é necessário para ele saber da doença e que é totalmente suficiente para permitir que ele para curá-lo, tem o Senhor da vida revelada a seus sentidos
 
 
Portanto doença (que não vem dentro da província de cirurgia manual) considerado, pois é pelas allopathists, como uma coisa separada da vida inteira, desde o organismo e sua força vital anima, e escondido no interior, seja sempre tão sutil um personagem, é um absurdo, que só poderia ser imaginado por mentes de um selo materialista, e tem milhares de anos, dado que o sistema predominante de medicina todos esses impulsos perniciosos que fizeram dele um verdadeiro arteiro (non-healing) art.
 
 
Há, no interior do homem, nada de mórbido que é curável, e nenhuma alteração mórbida invisível que é curável, que não se dar a conhecer aos médicos observar com precisão por meio de sinais e sintomas mórbidos - um arranjo em perfeita conformidade com a bondade infinita do preservador onisciente da vida humana.
 
§ 15 Quinta Edição
 
O carinho do morbidamente perturbado, espírito-como dynamis (força vital) que anima nosso corpo no interior invisível, ea totalidade dos sintomas exteriormente percebidas por ele produzidos no organismo e que representam o mal existente, constituem um todo, pois eles são um e o mesmo. O organismo é realmente o instrumento material da vida, mas não é concebível sem a animação transmitida a ele pela força vital, instintivamente, percebendo e regular (assim como a força vital não é concebível sem o organismo), consequentemente os dois juntos constituem uma unidade, embora em que nossa mente separa esta unidade em duas concepções distintas para o objectivo de facilitar a compreensão do mesmo.
 
§ 15 Sexta Edição
 
O carinho do morbidamente perturbado, espírito-como dynamis (força vital) que anima nosso corpo no interior invisível, ea totalidade dos sintomas exteriormente percebidas por ele produzidos no organismo e que representam o mal existente, constituem um todo, pois eles são um e o mesmo. O organismo é realmente o instrumento material da vida, mas não é concebível sem a animação transmitida a ele pelo instintivamente perceber e regulação dynamis, assim como a força vital não é concebível sem o organismo, consequentemente, os dois juntos constituem uma unidade, apesar de que nossa mente separa esta unidade em duas concepções distintas para o bem de fácil compreensão.
 
§ 16 Quinta Edição
 
Nossa força vital, como um espírito, como dynamis, não pode ser atacado e afetado por influências prejudiciais sobre o organismo saudável causada pelas forças hostis externas que perturbam o jogo harmonioso de vida, a não ser em um gosto espírito maneira (dinâmico), e da mesma maneira, todos esses distúrbios mórbidos (doenças) não pode ser removida pelo médico em qualquer outra forma que não pelo Espírito-like (dinâmica 1, virtual) poderes alterative dos medicamentos manutenção atuando sobre nosso espírito-como força vital, que as percebe por meio da faculdade sensível dos nervos em todos os lugares presentes no organismo, de modo que é apenas pela sua ação dinâmica da força vital que os remédios são capazes de restabelecer e realmente restabelecer a saúde e harmonia vital , após as mudanças na saúde do paciente percebidos pelos sentidos (a totalidade dos sintomas) têm revelado que a doença ao médico observar cuidadosamente e investigação tão completamente quanto foi necessário a fim de permitir que ele para curá-lo.
Uma doença mais grave, pode ser produzido por perturbação suficiente da força vital através da imaginação e também curada pelos mesmos meios.
 
§ 16 Sexta Edição
 
Nossa força vital, como um espírito, como dynamis, não pode ser atacado e afetado por influências prejudiciais sobre o organismo saudável causada pelas forças hostis externas que perturbam o jogo harmonioso de vida, a não ser em um gosto espírito maneira (dinâmico), e da mesma maneira, todos esses distúrbios mórbidos (doenças) não pode ser removida pelo médico em qualquer outra forma que não pelo Espírito-like (dinâmica 1, virtual) poderes alterative dos medicamentos manutenção atuando sobre nosso espírito-como força vital, que as percebe por meio da faculdade sensível dos nervos em todos os lugares presentes no organismo, de modo que é apenas pela sua ação dinâmica da força vital que os remédios são capazes de restabelecer e realmente restabelecer a saúde e harmonia vital , após as mudanças na saúde do paciente percebidos pelos sentidos (a totalidade dos sintomas) têm revelado que a doença ao médico observar cuidadosamente e investigação tão completamente quanto foi necessário a fim de permitir que ele para curá-lo.
Uma doença mais grave, pode ser produzido por perturbação suficiente da força vital através da imaginação e também curada pelos mesmos meios.
 
 
§ 17 Quinta Edição
 
Agora, como na cura efectuada por remoção do conjunto dos sinais perceptíveis e sintomas da doença, a alteração da força interna vital para que a doença é devida - por conseguinte a totalidade da doença - é, ao mesmo tempo retirado, 1 segue-se que o médico tem apenas para remover a totalidade dos sintomas de forma, ao mesmo tempo, para anular e aniquilar a mudança interna, isto é, a perturbação mórbida da força vital - por conseguinte a totalidade da doença , a doença em si dois Mas quando a doença é aniquilado a saúde é restaurada, e isso é o mais elevado, o único objetivo do médico que conhece o verdadeiro objeto da sua missão, que consiste em não aprendida -. ​​prating sonoridade, mas em dar ajudar aos doentes.
Um sonho um aviso, uma fantasia supersticiosa, ou uma previsão solene de que a morte poderia ocorrer em um determinado dia ou em uma determinada hora, não raro produzido todos os sinais de início e doenças aumentando, de se aproximar a morte ea própria morte, na hora anunciada , o que não seria possível sem a produção simultânea de mudança interior (correspondente ao estado observada internamente), e, consequentemente, em tais casos todos os sinais indicativos mórbidas de morte iminente têm sido frequentemente dissipada por uma causa idêntica, por alguns sagaz engano ou convicção a crença no contrário, e de repente saúde restaurada, o que não poderia ter acontecido sem a remoção, por meio deste remédio mortal, da mudança mórbida interna e externa, que ameaçava de morte.
2 É só assim que Deus o preservador da humanidade, poderia revelar a Sua sabedoria e bondade, em referência à cura da doença para a qual o homem é responsável aqui abaixo, mostrando ao médico o que ele tinha que remover a doença, a fim de aniquilar los e assim restabelecer a saúde. Mas o que nós pensamos de Sua sabedoria e bondade, se Ele foi envolto em obscuridade misteriosa que era para ser curado nas doenças (como é afirmado pela escola dominante da medicina, o que afeta a possuir uma visão sobrenatural sobre a natureza das coisas), e fechou-se no interior escondido, e, assim, tornaram impossível para o homem conhecer a doença com precisão, conseqüentemente impossível para ele para curá-lo?
 
§ 17 Sexta Edição
 
Agora, como na cura efectuada por remoção do conjunto dos sinais perceptíveis e sintomas da doença, a alteração interna do princípio fundamental, que é devida a doença - por conseguinte a totalidade da doença - é, ao mesmo tempo retirado, 1 segue-se que o médico tem apenas para remover a totalidade dos sintomas de forma, ao mesmo tempo, para anular e aniquilar a mudança interna, isto é, a perturbação mórbida da força vital - por conseguinte a totalidade da doença , a doença em si dois Mas quando a doença é aniquilado a saúde é restaurada, e isso é o mais elevado, o único objetivo do médico que conhece o verdadeiro objeto da sua missão, que consiste em não aprendida -. ​​prating sonoridade, mas em dar ajudar aos doentes.
Um sonho um aviso, uma fantasia supersticiosa, ou uma previsão solene de que a morte poderia ocorrer em um determinado dia ou em uma determinada hora, não raro produzido todos os sinais de início e doenças aumentando, de se aproximar a morte ea própria morte, na hora anunciada , o que não seria possível sem a produção simultânea de mudança interior (correspondente ao estado observada internamente), e, consequentemente, em tais casos todos os sinais indicativos mórbidas de morte iminente têm sido frequentemente dissipada por uma causa idêntica, por alguns sagaz engano ou convicção a crença no contrário, e de repente saúde restaurada, o que não poderia ter acontecido sem a remoção, por meio deste remédio mortal, da mudança mórbida interna e externa, que ameaçava de morte.
2 É só assim que Deus o preservador da humanidade, poderia revelar a Sua sabedoria e bondade, em referência à cura da doença para a qual o homem é responsável aqui abaixo, mostrando ao médico o que ele tinha que remover a doença, a fim de aniquilar los e assim restabelecer a saúde. Mas o que nós pensamos de Sua sabedoria e bondade, se Ele foi envolto em obscuridade misteriosa que era para ser curado nas doenças (como é afirmado pela escola dominante da medicina, o que afeta a possuir uma visão sobrenatural sobre a natureza das coisas), e fechou-se no interior escondido, e, assim, tornaram impossível para o homem conhecer a doença com precisão, conseqüentemente impossível para ele para curá-lo?
 
§ 18 Quinta Edição
 
Deste verdade indubitável, que para além da totalidade dos sintomas nada pode ser por qualquer meio descoberto na doença com a qual eles podem expressar a sua necessidade de um auxílio, segue-se inegavelmente que a soma de todos os sintomas em cada caso de doença deve ser a única indicação, o único guia para nos orientar na escolha de um remédio.
 
§ 18 Sexta Edição
 
A partir desta verdade indubitável, que, além da totalidade dos sintomas com a consideração das modalidades de acompanhamento (§ 5), nada pode, por qualquer meio ser descoberto na doença com a qual eles poderiam expressar sua necessidade de ajuda, segue-se, inegavelmente, de que a soma de todos os sintomas e as condições em cada caso de doença deve ser a única indicação, o único guia para nos orientar na escolha de um remédio.
 
 
Agora, como as doenças não são nada mais do que alterações no estado de saúde do indivíduo saudável, que se expressam através de sinais mórbidos, e também a cura só é possível mediante uma mudança para a condição saudável do estado de saúde do indivíduo doente, ele É muito evidente que os medicamentos nunca poderia curar a doença, se eles não têm o poder de alterar o estado do homem da saúde que depende de sensações e funções, na verdade, que o seu poder curativo deve ser devido apenas a este poder que possuem de alterar o estado de saúde do homem .
§ 20 Quinta edição
 
Este espírito-como poder de alterar o estado de saúde do homem (e, portanto, para curar doenças) que se encontra escondido na natureza interna de medicamentos não podem ser descobertos por nós por um simples esforço da razão, é apenas pela experiência dos fenômenos que ele exibe quando atuando sobre o estado de saúde do homem que pode se tornar claramente consciente disso.
 
§ 20 sexta edição
 
Este espírito-como poder de alterar o estado de saúde do homem (e, portanto, para curar doenças) que se encontra escondido na natureza interna de medicamentos pode, por si só nunca ser descoberto por nós por um simples esforço da razão, é apenas pela experiência dos fenômenos ele exibe quando actua sobre o estado de saúde do homem que pode se tornar claramente consciente disso.
 
 
Agora, como é inegável que o princípio curativo em medicamentos em si não é perceptível, e como nos experimentos puros com medicamentos realizados pelos observadores mais precisos, nada pode ser observado que podem constituir-lhes medicamentos ou remédios, exceto que o poder de causar alterações distintas no estado de saúde do corpo humano e, particularmente, a do indivíduo saudável, e de vários excitantes nele sintomas mórbidos definidos, assim segue-se que quando os medicamentos agem como remédios, que só podem trazer a sua propriedade curativa em jogo, por meio deste seu poder de alterar o estado de saúde do homem pela produção de sintomas peculiares, e que, portanto, só temos que contar com os fenômenos mórbidos que os medicamentos produzem no corpo saudável como a única revelação possível de seu curativo em habitação poder, a fim de aprender o que produz a doença de energia e, ao mesmo tempo que o poder de cura da doença, cada medicamento indivíduo possui.
 
§ 22 Quinta Edição
 
Mas nada que está a ser observado em doenças que têm de ser removidas, a fim de transformá-las em saúde para além da totalidade dos seus sinais e sintomas, e do mesmo modo os medicamentos podem apresentar nada curativa para além da sua tendência para produzir sintomas mórbidos em pessoas saudáveis ​​e para removê-los em pessoas doentes, que resulta, por um lado, que os medicamentos que apenas se tornam remédios e capazes de aniquilar doença, visto que a substância medicinal, através da excitação determinados efeitos e sintomas, isto é, através da produção de um determinado estado mórbido artificial, e remove revoga os sintomas já existentes, a saber, o estado mórbido natural que desejam curar. Por outro lado, segue-se que, para a totalidade dos sintomas da doença a ser curada, um medicamento que tem de ser procurado (de acordo com a experiência deve demonstrar se os sintomas mórbidos estão mais prontamente, com certeza, e permanentemente removido e transformado saúde por sintomas medicamentos semelhantes ou opostos um) tem uma tendência para produzir sintomas semelhantes ou opostos.
1 O outro modo possível de empregando medicamentos para doenças para além destes dois alopática é o método, em que os medicamentos são administrados, cujos sintomas patológicos tem qualquer relação directa com o estado mórbido, semelhantes, nem oposto, mas muito heterogénea com os sintomas da doença , é, como mostrado acima, na introdução (revisão da terapêutica, alopatia e tratamento paliativo que até agora foram praticadas na antiga Faculdade de Medicina), a força vital meramente instintiva, que, quando mal feito por agentes nocivos, se esforça para salvar -se a qualquer sacrifício pela produção e manutenção de irritação mórbida no organismo - uma imitação, conseqüentemente, da força vital em bruto, que foi implantado em nosso organismo, a fim de preservar a nossa vida na saúde, na mais bela harmonia, mas quando demente pela doença, foi assim constituído como que admitir de ser novamente alterado para a saúde (homeopaticamente) pelo médico inteligente, mas não para curar a si mesmo, para que o pouco poder que ela possui é tão longe de ser um modelo a ser copiado, que toda a alterações e sintomas que produz no organismo (morbidamente perturbado) são apenas a própria doença. Mas este sistema imprudente da terapêutica da velha escola de medicina não pode mais ser passado por despercebido que a história pode deixar de registrar os milhares de anos de oposição a que a humanidade foi submetida sob os irracionais, os governos despóticos.
 
§ 22 Sexta Edição
 
Mas nada que está a ser observado em doenças que têm de ser removidas, a fim de transformá-las em saúde para além da totalidade dos seus sinais e sintomas, e do mesmo modo os medicamentos podem apresentar nada curativa para além da sua tendência para produzir sintomas mórbidos em pessoas saudáveis ​​e para removê-los em pessoas doentes, que resulta, por um lado, que os medicamentos que apenas se tornam remédios e capazes de aniquilar doença, visto que a substância medicinal, através da excitação determinados efeitos e sintomas, isto é, através da produção de um determinado estado mórbido artificial, e remove revoga os sintomas já existentes, a saber, o estado mórbido natural que desejam curar. Por outro lado, segue-se que, para a totalidade dos sintomas da doença a ser curada, um medicamento que tem de ser procurado (de acordo com a experiência deve demonstrar se os sintomas mórbidos estão mais prontamente, com certeza, e permanentemente removido e transformado saúde por sintomas medicamentos semelhantes ou opostas) têm uma maior tendência para produzir sintomas semelhantes ou opostos.
1 O outro modo possível de empregando medicamentos para doenças para além destes dois alopática é o método, em que os medicamentos são administrados, cujos sintomas patológicos tem qualquer relação directa com o estado mórbido, semelhantes, nem oposto, mas muito heterogénea com os sintomas da doença . Este procedimento tem, como já mostrado em outros lugares, um jogo de assassino irresponsável com a vida do paciente por meio de medicamentos perigosos, violentos, cuja ação é desconhecido e que são escolhidos em meras conjecturas e administrado em doses grandes e freqüentes. Mais uma vez, por meio de operações dolorosas, destina-se a levar a doença para outras regiões, tendo a força e os sucos vitais do paciente, por meio de evacuação, acima e abaixo, o suor ou a salivação, mas especialmente por meio de dissipação no sangue insubstituíveis, como é feito pela reinando prática rotineira, utilizada de forma cega e implacavelmente, geralmente com o pretexto de que o médico deve imitar e ainda mais a natureza doente em seus esforços para ajudar a si mesmo, sem considerar quão irracional é, imitar e ainda mais esses esforços muito imperfeitos, principalmente inadequadas da instintivo energia vital inteligente que é implantado em nosso organismo, desde que seja saudável para continuar a vida em desenvolvimento harmonioso, mas não para curar a si mesmo na doença. Pois, se fosse dotado de tal capacidade modelo, ele nunca teria permitido o organismo a ficar doente. Quando adoeceu por agentes nocivos, o nosso princípio de vida não pode fazer mais nada do que expressar sua depressão causada pela perturbação da regularidade de sua vida, por sintomas, por meio do qual o médico inteligente é pedir ajuda. Se isso não for dado, ele se esforça para salvar aumentando a doença, especialmente através de evacuações violentos, não importa o que isso implica, muitas vezes, com os maiores sacrifícios ou a destruição da própria vida.
Para o propósito de cura, a energia vital mórbidos deprimido possui tão pouco digno de imitação capacidade uma vez que todas as alterações e sintomas por ele produzidos no organismo são a própria doença. O médico inteligente iria querer imitá-lo com a intenção de curar se não assim sacrificar seu paciente?
 
 
Toda a experiência pura, no entanto, e toda a investigação exacta nos convencer que os sintomas persistentes de doença estão longe de serem removidos e aniquilados pelos sintomas opostos de medicamentos (como no, enantiopathic ou paliativa método antipático), que, pelo contrário, depois da transiente, aparente alívio, Rompem novamente, só que com maior intensidade, e tornam-se manifestamente agravado (ver § 58-62 e 69).
 
 
Resta, portanto, nenhum outro modo de medicamentos empregando em doenças que promete ser de serviço além da homeopática, por meio do qual requerido para a totalidade dos sintomas da doença no caso de um medicamento que entre todos os medicamentos (cuja efeitos patogénicos são conhecidos a partir de ter sido testado em indivíduos saudáveis) tem a potência e a tendência para produzir um estado mórbido artificial mais semelhante à do caso de doença em questão.
 
 
Agora, porém, em todos os ensaios cuidadosos, experiência pura, um dos únicos e infalível oráculo da arte de curar, nos ensina que, na verdade, que a medicina que, por sua ação sobre o corpo humano saudável, demonstrou seu poder de produzir o maior número de sintomas semelhantes aos praticados no caso da doença em tratamento, que também, em doses de potência e de atenuação adequado, rapidamente, radicalmente e permanentemente remover a totalidade dos sintomas deste estado mórbido, isto é, (§ 6-16) , a doença todo presente, e transformá-lo em saúde, e que a cura para todos os medicamentos, sem exceção, as doenças cujos sintomas mais se assemelham a sua própria, e deixar nenhum deles sem cura.
1 Eu não quero esse tipo de experiência que os praticantes ordinários da velha ostentação escola, depois de ter trabalhado durante anos acabar com um monte de receitas complexas em uma série de doenças que nunca cuidadosamente investigar, mas que, fiéis à sua escola, que eles consideram como já descrito em trabalhos de patologia sistemática, e sonhou que poderia detectar neles algum assunto morbífico imaginário, ou atribuir-lhes alguma outra anormalidade interno hipotético. Eles sempre viu algo neles, mas não sabia o que era que eles viram, e eles conseguiram resultados, das forças complexas que atuam sobre um objeto desconhecido, que nenhum ser humano, mas só um Deus poderia ter desvendado - resultado da qual nada pode ser aprendido , sem experiência adquirida. Experiência desse tipo Cinqüenta anos é como 50 anos de olhar em um caleidoscópio cheio de objetos coloridos desconhecidos, e perpetuamente se virar, milhares de sempre mudando figuras e não de contabilidade para eles!
 
 
Isso depende do seguinte lei homeopática da natureza que às vezes era, de fato, vagamente supôs, mas até agora não plenamente reconhecida, e que é devido a cada cura real que já ocorreu:
Um afecto dinâmica mais fraca é permanentemente extinta no organismo vivo por uma mais forte, se este último (embora difira em espécie) é muito semelhante à primeira, em suas manifestações. 1
1 Assim, são curados ambos afetos físicos e enfermidades morais. Como é que na madrugada do brilhante Júpiter desaparece a partir do olhar de quem vê? Por um forte poder muito semelhante agindo em seu nervo óptico, o brilho de se aproximar de dia! - Em situações repletas de odores fétidos, com o qual é de costume para aliviar eficazmente os nervos olfativos ofendidos? Com rapé, que afecta o olfacto de uma maneira semelhante, mas mais forte! Sem música, sem bolo com açúcar, que agem sobre os nervos de outros sentidos, pode curar este desgosto olfativo. Como o soldado astuciosamente abafar os gritos comoventes de que corre o desafio dos ouvidos dos espectadores compaixão? Pelas notas estridentes do pífaro misturados com o rolo do tambor barulhento! E o estrondo distante do canhão do inimigo que inspira o seu exército com medo? Pelo alto crescimento da grande tambor! Pois nem a uma nem a outra seria a distribuição de uma brilhante peça de uniforme nem uma reprimenda ao regimento suficiente. Da mesma forma, luto e tristeza serão apagados da mente por conta de outrem e ainda maior motivo de tristeza passa para o outro, mesmo que seja uma mera ficção. As conseqüências prejudiciais do também grande alegria serão removidos pelo consumo de café, que produz um estado de espírito alegre excessiva. Nações como os alemães, que durante séculos foi gradualmente afundando cada vez mais na apatia sem alma e servidão degradante, deve primeiro ser pisado ainda mais profunda no pó pelo conquistador ocidental, até que sua situação se tornou intolerável, a sua opinião média de si foi, assim, mais -tensas e removidos, eles novamente se tornou viva a sua dignidade de homens, e então, pela primeira vez, eles levantaram suas cabeças como alemães.
 
 
O poder curativo de medicamentos, por conseguinte, depende, seus sintomas semelhantes aos da doença, mas superior a ela na resistência (§ 12 - 26), de modo que cada caso de doença é mais seguramente, radicalmente, rapidamente e de forma permanente aniquiladas e apenas removido por um medicamento capaz de produzir (no sistema humano), da maneira mais semelhante e completa da totalidade dos seus sintomas, o que ao mesmo tempo são mais fortes do que a doença.
 
 
Como esta lei natural de cura se manifesta em cada experiência pura e toda verdade de observação do mundo, o fato é, portanto, criado, pouco importa o que pode ser a explicação científica de como isso acontece, e eu não atribuo muita importância às tentativas feitas para explicá-lo. Mas o seguinte ponto de vista parece elogiar-se como o mais provável, uma vez que se baseia em premissas derivadas da experiência.
 
§ 29 Quinta Edição
 
Como cada doença (não estritamente pertencente ao domínio da cirurgia), depende apenas de um desarranjo mórbida peculiar da nossa força vital em sensações e funções, quando a cura homeopática da força vital perturbado por doença natural é conseguido pela administração de um agente medicinal seleccionado em função de uma similaridade precisos dos sintomas, um pouco mais forte, semelhante, afecto mórbida artificial é posta em contacto com, e, como se fosse empurrada para o lugar do mais fraco, semelhante, irritação naturais mórbida, contra a qual a força vital instintiva , agora apenas (embora em um grau mais forte) medicinalmente doente, então é obrigado a direcionar uma maior quantidade de energia, mas, por conta da menor duração da ação de um agente medicinal que agora mórbida afeta, a força vital em breve supera isso, e como ela era, em primeira instância aliviado da afeição mórbida natural, por isso é agora, finalmente, libertado da artificial substituído (medicinal) um, e, portanto, é permitir novamente para continuar saudavelmente as operações vitais do organismo. Esta explicação muito provável do processo baseia-se nos seguintes axiomas.
1 A curta duração da acção das forças morbífico artificiais, que medicamentos prazo, faz com que seja possível que, apesar de serem mais fortes do que as doenças naturais, eles podem ainda ser muito mais facilmente superados pela força vital do que podem as doenças naturais mais fracos , que apenas em conseqüência do mais, geralmente ao longo da vida, a duração da sua acção (psora, sífilis, sycosis), nunca pode ser vencida e extinta por ele sozinho, até que o médico afeta a força vital de uma maneira mais forte por um agente que produz uma doença muito semelhante, mas mais forte a saber um remédio homeopático, que, quando feita (ou fundir), é como se fosse forçada sobre o inteligente, força vital instintiva, e substituo no lugar do antigo afecto mórbida natural pelo qual significa a força vital, e substituo no lugar do antigo afecto mórbida naturais, através do qual a força vital permanece então meramente medicinalmente doente, mas apenas por um curto período de tempo, porque a acção do medicamento (o tempo em que a doença medicamento animado por ele seguir o seu curso), não durou muito tempo. As curas de doenças de duração de muitos anos (§ 46), pela ocorrência de varíola e sarampo (ambos executar um curso de poucas semanas), são processos de natureza similar.
 
§ 29 Sexta Edição
 
Como toda doença (não inteiramente cirúrgico) consiste apenas em uma, mórbido, alteração dinâmica especial de nossa energia vital (o princípio da vida) manifesta na sensação e movimento, assim em todos os homeopático curar esse princípio de vida alterado dinamicamente por doença natural é apreendidos através da administração de potência medicamento seleccionado exactamente de acordo com a semelhança de sintomas por um pouco mais forte, semelhante artificial manifestação de doença. Por isso, o sentimento do natural (mais fraco) dinâmica doença manifestação cessa e desaparece. Esta doença-manifestação não existe mais para o princípio da vida, que é agora ocupada e governada apenas pelo mais forte, artificial doença manifestação. Esta artificial doença manifestação foi logo passou a sua força e deixa o paciente livre da doença, curada. O dynamis, assim libertado, agora pode continuar a exercer a vida na em saúde. Este processo mais altamente provável recai sobre as seguintes proposições.
 
§ 30 Quinta Edição
 
O corpo humano parece admitir de ser muito mais poderosamente afetada em sua saúde pelos medicamentos (em parte porque temos a regulação da dose em nosso próprio poder) do que por estímulos mórbidos naturais - para doenças naturais são curadas e vencer por medicamentos adequados.
 
§ 30 Sexta Edição
 
O corpo humano parece admitir de ser muito mais poderosamente afetada em sua saúde pelos medicamentos (em parte porque temos a regulação da dose em nosso próprio poder) do que por estímulos mórbidos naturais - para doenças naturais são curadas e vencer por medicamentos adequados 1.
1 A curta duração da acção das forças morbífico artificiais, que medicamentos prazo, faz com que seja possível que, apesar de serem mais fortes do que as doenças naturais, eles podem ainda ser muito mais facilmente superados pela força vital do que podem as doenças naturais mais fracos , que apenas em conseqüência do mais, geralmente ao longo da vida, a duração da sua acção (psora, sífilis, sycosis), nunca pode ser vencida e extinta por ele sozinho, até que o médico afeta a força vital de uma maneira mais forte por um agente que produz uma doença muito similar, mas mais forte a saber um medicamento homeopático. As curas de doenças de duração de muitos anos (§ 46), pela ocorrência de varíola e sarampo (ambos executar um curso de poucas semanas), são processos de natureza similar.
 
 
As forças hostis, em parte psíquicas, físicas, em parte, para que a nossa existência terrestre está exposta, os quais são denominados agentes nocivos morbífico, não possuem o poder de morbidamente perturbando a saúde do homem incondicionalmente 1, mas somos feitos doente por eles somente quando nossa organismo é suficientemente eliminados e susceptível ao ataque da causa morbífico que possa estar presente, e ser alterado na sua saúde, perturbada e feito passar por sensações e funções anormais - portanto, eles não produzem doença em cada um ou em todos os momentos.
1 Quando eu chamo uma doença uma perturbação do estado de saúde do homem, estou longe de querer, assim, dar uma explicação hyperphysical da natureza interna da doença, geralmente, ou de qualquer caso de doença em particular. Destina-se apenas por esta expressão para íntimo, o que pode ser provado doenças não são e não podem ser, que não são alterações mecânicas ou químicas da substância material do corpo, e não dependente de uma substância morbífico material, mas que são apenas espírito gosta (conceitual) desarranjos dinâmicas da vida.
 
 
Mas é exatamente o contrário com os agentes morbífico artificiais que nós medicamentos prazo. Cada medicamento verdadeiro, isto é, actua em todos os momentos, sob todas as circunstâncias, em cada ser humano vivo e produz nele seus sintomas peculiares (nitidamente perceptível, se a dose de ser suficientemente grande), de modo que, evidentemente, cada organismo humano é susceptível de estar ser afectada e, por assim dizer, inoculada com a doença medicamento em todos os momentos, e absolutamente (incondicionalmente), o qual, como anteriormente referido, é de modo nenhum o caso das doenças naturais.
 
 
De acordo com este fato, é inegavelmente demonstrado por toda a experiência que um organismo vivo é muito mais dispostos e tem uma maior responsabilidade para ser executado, e ter sua saúde perturbado pelos poderes medicinais, que por agentes nocivos morbífico e miasmas infecciosos ou, em outras palavras, que os agentes nocivos morbífico possuem um poder de morbidamente perturbando a saúde do homem, que é subordinado e condicional, muitas vezes condicional; agentes medicinais enquanto têm um poder incondicional absoluto, muito superior ao primeiro.
1 Um fato marcante na comprovação disto é que, embora anteriormente ao ano de 1801, quando a escarlatina lisa de Sydenham ainda ocasionalmente epidêmica prevaleceu entre as crianças, ele atacou, sem exceção, todas as crianças que tinham escapado em uma antiga epidemia, em uma epidemia semelhante que eu testemunhei em Konigslutter, pelo contrário, todas as crianças que tomaram a tempo uma dose muito pequena de beladona permaneceram inalterados por esta doença infantil altamente contagiosa. Se os medicamentos podem proteger contra a doença que está sendo travada em torno, devem possuir um poder muito superior de afetar a nossa força vital.
 
§ 34 Quinta Edição
 
A maior força das doenças artificiais producible por medicamentos é, no entanto, não a única causa do seu poder de curar a doença natural. A fim de que eles podem efectuar a cura, isto é antes de todas as coisas necessárias que eles devem ser capazes de produzir no corpo humano de uma doença artificial tanto quanto possível semelhante à doença a ser curada, a fim de, por meio desta similaridade, conjugada com o seu um pouco maior força, a substituir-se ao afeto mórbido natural e, assim, privar o último de toda a influência sobre a força vital. Isto é tão verdade, que nenhuma doença pré-existente pode ser curada, mesmo sozinha Natureza, com a adesão de uma nova doença diferente, ela nunca será tão forte, e tão pouco ele pode ser curado através de tratamento médico com medicamentos que são incapazes de produzir uma condição mórbida semelhante no corpo saudável.
 
§ 34 Sexta Edição
 
A maior força das doenças artificiais producible por medicamentos é, no entanto, não a única causa do seu poder de curar a doença natural. A fim de que eles podem efectuar a cura, isto é antes de todas as coisas necessárias que eles devem ser capazes de produzir no corpo humano de uma doença artificial tanto quanto possível semelhante à doença a ser curada, a qual, com um pouco maior potência, transforma-se numa estado mórbido muito semelhante ao princípio da vida instintiva, que por si só é incapaz de qualquer reflexão ou ato de memória. Ele não só obscurece, mas apaga e, assim, aniquila a perturbação causada pela doença natural. Isto é tão verdade, que nenhuma doença pré-existente pode ser curada, mesmo sozinha Natureza, com a adesão de uma nova doença diferente, ela nunca será tão forte, e tão pouco ele pode ser curado através de tratamento médico com medicamentos que são incapazes de produzir uma condição mórbida semelhante no corpo saudável
.
 
Para ilustrar isso, devem considerar em três casos diferentes, assim que ocorre na natureza, quando duas doenças naturais diferentes para reunir em uma pessoa, assim como o resultado do tratamento médico comum de doenças com alopatia inadequadas, que são incapazes de produzir uma condição mórbida artificial semelhante à doença a ser curada, em que ela aparecerá que mesmo própria natureza não é capaz de remover uma doença diferente já presente por um que é unhomoeopathic, apesar de ser mais forte, e tão-pouco é o unhomoeopathic emprego de até mesmo os medicamentos mais fortes que nunca capaz de curar qualquer doença.
 
 
I. Se as duas doenças diferentes que se reúnem no ser humano ser de igual força, ou ainda mais se um dos mais antigos a ser mais forte, a nova doença será repelida pelo antigo a partir do corpo e não é permitida a afectar. Um paciente que sofre de uma doença crônica grave não será infectado por uma disenteria outonal moderada ou outra doença epidêmica. A praga do Levante, de acordo com Larry, um não sair, onde o escorbuto é predominante, e pessoas que sofrem de eczema não está infectado por ele. Raquitismo, Jenner alega, impede vacinação de tomar o efeito. Aqueles que sofrem de consumo pulmonar não são susceptíveis de ser atacados por febres epidêmicas de um personagem não muito violenta, de acordo com Von Hildenbrand.
1 Mémoires et observações, a Description de l 'Egpte, tom. i.
 
§ 37 Quinta Edição
 
Assim, também durante o tratamento médico normal, uma doença crónica de idade permanece não curado e inalterado se for tratada de acordo com o método alopática comum, isto é, com medicamentos que são incapazes de produzir em indivíduos saudáveis ​​o estado de saúde semelhante à doença , mesmo que o tratamento deve durar anos e não é de caráter muito violento. Isto é testemunhado diariamente na prática, portanto, é necessário dar alguns exemplos ilustrativos.
 
§ 37 Sexta Edição
 
Assim, também durante o tratamento médico normal, uma doença crónica de idade permanece não curado e inalterado se for tratada de acordo com o método alopática comum, isto é, com medicamentos que são incapazes de produzir em indivíduos saudáveis ​​o estado de saúde semelhante à doença , mesmo que o tratamento deve durar anos e não é de caráter muito violento. 1 Isto é testemunhado diariamente na prática, portanto, é necessário dar alguns exemplos ilustrativos.
1 Mas se tratado com violentos remédios alopáticos, outras doenças será formado em seu lugar, que é mais difícil e perigoso para a vida.
 
 
II. Ou a nova doença dissimilares é o mais forte. Neste caso, a doença em que o paciente originalmente trabalhado, sendo o mais fraco, será mantido para trás e suspenso pela adesão do mais forte, até que o último deverá ter o seu curso ou foi curado, e, em seguida, o antigo reaparece sem cura. Duas crianças afectadas com uma espécie de epilepsia permaneceu livre de ataques epilépticos após a infecção com micose (tinea), mas assim que a erupção na cabeça foi embora a epilepsia voltou como antes, como Tulpius 1 observou. A coceira, como Schopf 2 viu, desapareceu no dia da ocorrência do escorbuto, mas após a cura do último novamente eclodiu. Assim, também a tísica pulmonar permaneceu estacionário quando o paciente foi atacado por um tifo violento, mas foi novamente depois que o último tinha o seu curso. 3 Se ocorrer mania em um paciente tuberculoso, a tísica com todos os seus sintomas é removido pelo ex- , mas se sair, a tísica retorna imediatamente e prova fatal 4 Quando o sarampo ea varíola são predominantes, ao mesmo tempo, e ambos ataque a mesma criança, o sarampo, que já tinha quebrado está marcada geralmente pela varíola, que veio um pouco. mais tarde, nem as do sarampo retomar a sua trajectória até após a cura da varíola, mas isso não é incomum que a varíola inoculado é suspenso durante quatro dias pela superveniência do sarampo, tal como observado por Manget, 5 após a descamação do que o varíola completa o seu curso. Mesmo quando a inoculação da varíola tinha entrado em vigor durante seis dias, e o sarampo, em seguida, estourou, a inflamação da inoculação permaneceu estacionário ea varíola não acontecer até o sarampo tinha completado o seu curso regular de sete dias. 6 Numa epidemia do sarampo, da doença que muitos indivíduos atacados no quarto ou quinto dia após a inoculação de varíola e impediu o desenvolvimento da varíola, até ter completado o seu próprio campo, após o que a varíola apareceu e procedeu regularmente a sua terminação. 7 O verdadeiro liso , scarlatina Erysipelatous aparência de Sydenham, com dor de garganta, foi verificada no quarto dia pela erupção do cow-pox, que seguiu seu curso regular, e não até que foi encerrada que o scarlatina novamente estabelecer-se, mas em outra ocasião, como ambas as doenças parecem ser de igual força, a vaca-pox foi suspenso no oitavo dia pela superveniência da verdadeira suave scarlatina de Sydenham, 8 e da aréola vermelha do primeiro, desapareceu até o scarlatina desapareceu, onde a vaca -pox imediatamente retomou seu curso, e passou sua rescisão dos nove Os sarampo suspendeu os Cow-pox;. no oitavo dia, quando a vaca-pox tinha quase atingiu o seu clímax, o sarampo eclodiu, os Cow-pox agora permanecia estacionário, e não retomar e concluir seu curso até que a descamação do sarampo, teve lugar, de modo que no décimo sexto dia apresentou a aparência de outra forma teria mostrado no décimo dia, como Kortum 10 observados.
Mesmo depois de o sarampo tinha quebrado a inoculação vaca-pox entrou em vigor, mas não o seu curso até que estes sarampo tinha desaparecido, como Kortum também testemunhou. 11
Eu me vi a caxumba (angina parotídea) desaparecem imediatamente quando a inoculação vaca-pox tomou efeito e quase havia atingido seu auge, não era até o término completo da vaca-pox eo desaparecimento de sua auréola vermelha que esta tumefação febril das glândulas parótidas e submaxilares, que é causada por um miasma peculiar, reapareceu e seguiu seu curso regular de sete dias.
E, assim é com toda a doença diferente; suspende o mais forte quanto mais fraco (quando não complicar um outro, que é raramente o caso com a doença aguda), mas eles nunca curar o outro.
Obs 1., Lib. I, obs. 8.
2 No Jornal do Hufeland, xv, 2.
3 Chevalier, em de Hufeland Neuesten Annalen der franzosichen Heikunde, II, p.192.
4 Mania phthisi superveniens eam cum omnibus suis phaenomenis auffert, verum mox redit tísica et occidit, abeunte mania. Reil Memorab., Fasc. III, V, p.171.
5 Na Edinb. Med. Chem. Comentário., Pt. i, 1.
6 John Hunter, sobre a doença venéreas, p.5.
7 Rainey, no Edinb. Med. Chem. Comentário., Iii, p.480.
8 Muito bem descrita por Withering e Plenciz, mas diferindo muito da púrpura (ou Roodvonk), que é muitas vezes erroneamente denominado escarlatina. Trata-se apenas de final de ano que os dois, que eram originalmente doenças muito diferentes, chegaram a assemelhar-se uns aos outros em seus sintomas.
9 Jenner, em Medicinische Annalen, agosto, 1800, p.747.
Em 10 de Hufeland Jornal der praktischen Arzneikunde, xx, 3, p.50.
11 Loc. cit.
 
 
Agora, os adeptos da escola normal de medicina viu tudo isso durante tantos séculos, eles viram que a própria Natureza não pode curar qualquer doença com a adesão de outro, ela nunca será tão forte, se a nova doença ser diferente daquela já presente no corpo. O que devemos pensar neles, que, no entanto, foi sobre o tratamento de doenças crônicas com remédios alopáticos, ou seja, com medicamentos e prescrições capazes de produzir Deus sabe o estado mórbido - quase sempre, no entanto, uma diferente da doença a ser curada? E apesar de os médicos não fizeram até agora, observar a natureza com atenção, os resultados miseráveis ​​de seu tratamento deveria ter ensinado que eles estavam perseguindo um, um caminho falso inadequada. Será que eles não percebem quando empregados, como era seu costume, e tratamento alopático agressivo em uma doença crônica, que, assim, eles só criaram uma doença artificial diferente ao original, que, desde que foi mantido, apenas suspenso , merely suppressed, merely suspended the original disease, which latter, however, always returned, and must return, as soon as the diminished strength of the patient no longer admitted of a continuance of the allopathic attacks on the life?Assim, o exantema coceira certamente desaparecer muito em breve a partir da pele sob o emprego de purgantes violentos, muitas vezes repetidas, mas quando o paciente não pode mais suportar a doença fictícia (diferente) dos intestinos e pode demorar mais purgantes, em seguida, o cutâneo erupção irrompe como antes, ou a psora interna apresenta-se em algum mau sintoma, eo paciente, além de sua doença original intacta, tem de suportar a miséria de uma digestão arruinada dolorosa e diminuição da força para arrancar. Assim, também, quando os médicos comuns manter ulcerações artificiais da pele e problemas com o exterior do corpo, com o fim de erradicar uma doença crónica, assim, elas podem NUNCA curá-las por este meio, tais como úlceras cutâneas artificiais são bastante alienígena e alopática ao comprometimento interno, mas uma vez que a irritação produzida por diversos tecidos, pelo menos, é uma doença, por vezes mais forte (diferente) que a doença habitação, este último é assim, por vezes, silenciadas e suspenso por uma ou duas semanas. Mas isso só é suspensa e que, por um tempo muito curto, enquanto as potências do paciente são gradualmente desgastado. Epilepsia, reprimida por muitos anos, por meio de questões, invariavelmente recorreram, e de forma agravada, quando eles foram autorizados a curar-se, como Pechlin 1 e outros depor. Mas purgantes para coceira e problemas para a epilepsia, não pode ser mais heterogêneo, os agentes PERTURBADOR mais desiguais - não pode ser mais alopática, os modos mais desgastante do tratamento - que são as receitas habituais, compostas de ingredientes desconhecidos, utilizados na prática comum para o outro sem nome , inúmeras formas de doença. Estes não fazem nada, mas igualmente debilitar, e apenas suprimir ou suspender a doença durante um curto período de tempo sem ser capaz de curá-la, e, quando utilizado por um longo período de tempo sempre adicionar um novo estado mórbido da doença de idade.
Obs 1. Phys. med., lib. ii, obs, 30.

http://www.homeoint.org/books/hahorgan/organ020.htm

HOMEOPATAS DOS PÉS DESCALÇOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquise por matéria específica