Pular para o conteúdo principal

ALMA DE PROFESSOR


Uma alma, um Professor.

Ontem aprendi muitas coisas. Minha avó materna me ensinou a ascender o fogo, disse que em breve sairia com meu Pai e precisa aprender como se fazia isso ... não vou passar vergonha pensei. Dito e certo, ponto pra ela, minha avó. Foi o que o meu pai me pediu: ascenda o fogo Jorge, hoje vamos fazer um assado juntos de dar inveja aos da sua mãe e os da sua avó.
Aos 6 anos não se dá conta do que é isso na vida adulta, eu fiz, gostei e quase trinta anos depois repeti com minha filha.

Anos depois, acho que uns dez, o meu avô paterno, me ensinava a pescar, de repente passou mal e o levamos para o hospital. Era o coração. Com cuidados especiais poderia ficar em casa ... onde? Cedi o quarto e me mudei pra biblioteca, pro sofá e com direito a televisão exclusiva. Depois de 5 dias lá estava eu dormindo nos pés da cama do meu avô, gostava de ler e assim eu lia pra ele. Isso definiria meus primeiros passos na vida profissional e pessoal. O livro predileto do meu avô? 

Li dois livros que provavelmente não teriam me guiado se não fossem nessa época – O Conde de Monte Cristo e o Colar da Rainha, ambos de Alexandre Dumas – Pai. Vitor Hugo era sempre lembrado nas questões sobre a morte, vida e liberdade. Sim, minha família era de revolucionários.

Está pois a pena de morte abolida nesse nobre Portugal, pequeno povo que tem uma grande história. (…) Felicito a vossa nação. Portugal dá o exemplo à Europa. Desfrutai de antemão essa imensa glória. A Europa imitará Portugal. Morte à morte! Guerra à guerra! Viva a vida! Ódio ao ódio. A liberdade é uma cidade imensa da qual todos somos concidadãos.

Victor Hugo, 1876, a propósito da abolição da pena de morte em Portugal (o primeiro país europeu a fazê-lo).

Voltei a dormir no meu quarto com a morte do meu avô, já próximo de entrar na faculdade. Levei os livros comigo.
Cinco anos depois morre meu pai, meu terceiro professor.
Me formei em matemática, medicina e literatura.
Leciono, clinico e escrevo.


Ainda recolho gravetos para ascender à fogueira, a fama do melhor assado agora é minha; realmente me apaixonei pela minha professora de literatura.
Aprendi com meu avô que existem pessoas que nos modificam por dentro e que para aproveitar isso, deveria fazer de cada professor um amigo, só assim transformaria as coisas indomáveis em possibilidades. Os professores são os mestres das possibilidades.
Meu pai teve mais alunos chorando por ele no seu velório que os amigos de final de semana. Aprendi com todos eles que não substituímos as pessoas porque cada ensinamento é transmitido conforme a alma de quem o faz, por isso é sempre diferente.

Morrerei aluno, médico e poeta, me nego a deixar essa posição,
Morrerei professor, me nego a abandonar minha alma.
No fundo é a alma que carrega cada professor, cada médico, cada poeta.
É o que se é.
Cidadão do mundo,
eternos alunos,
agradecidamente; professor.

zerafim
Cidadão do Mundo
Homeopatas dos Pés Descalços

Postagens mais visitadas deste blog

IGNATIA AMARA - A CHAVE DO EQUILÍBRIO

IGNATIA AMARA  E A SUA PERSONALIDADE HOMEOPÁTICA
O excesso de luz cega a vista.
O excesso de som ensurdece o ouvido.
Condimentos em demais estragam o gosto.
O ímpeto das paixões perturba o coração.
A cobiça do impossível destrói a ética.
Por isso, o sábio em sua alma
Determina a medida de cada coisa.
Todas as coisas visíveis lhe são apenas
Setas que apontam para o Invisível.

(Tao-Te King, Lao-Tsé) Lao Tsé não tinha conhecimento de homeopatia, mais permeou o mundo das observações de forma intensa e clara, ajudou a dar uma nova visão ao ser humano e até hoje seja no oriente quanto no ocidente, viaja nas mentes de muitos. Ao ler seu pequeno texto a uns bons anos atrás e já com alguma bagagem de filosofia homeopática, me deparei com este, acima citado. Para mim a tradução mais poética de uma personalidade Ignácia. Homeopatas dos Pés Descalços 

Citemos Allen - "As pessoas mentalmente e fisicamente esgotados por uma dor concentrada e prolongada" (Allen) ou ainda "A alteração das condições …

GELSEMIUM - O REMÉDIO DAS GRANDES SENSIBILIDADES

PERSONALIDADES HOMEOPÁTICAS MAT. CEDIDA POR ELISA MACIEL COSTA/ESP.EM HOM/ACUPUNTURA/FITOTERAPIA

Pessoas com grandes fraquezas, com intensa prostração física e mental, chegando ao embotamento cerebral. Medo de cair e de adoecer[*] Histeria e neuroses, comoções e maus efeitos do medo, o remédio das grandes sensibilidades. Sonolencia dos estudantes, as mulheres apresentam  rouquidão durante a menstruação. Sente-se incapaz de enfrentar a vida cotidiana, Incapacidade para assumir responsabilidades, nervosismo de "ator", medo de exames dos estudantes, de aceitar novas tarefas. Evita as aflições da vida. É muito utilizado nas febres agudas ou intermitentes em que há um desejo absoluto de repouso. Na sua grande maioria apresenta ausência de sede, sem calafrios ou suores, piorando à tarde. Seu uso facilita o parto em situações de rigidez do colo uterino e alivia as cólicas menstruais muito fortes.  Apresenta fisicamente uma enorme falta de tônus muscular, torpor, lassidão e tremores, Par…

LYCOPODIUM CLAVATUM

LYCOPODIUM – o medo do conflito
Lycopodium é sem sombra de dúvida, uma das matérias médicas mais extensas dentro da homeopatia e mais interressantes também. Esse indivíduo tem as fases da sua vida bem marcadas, pois apresenta um grande estado distinto entre a infância, a idade mediana e sua idade mais avançada.
Entretanto o Lycopodium se encontra envolto pela covardia, tanto social, moral e física, o que permite ao homeopata analisar de forma cuidadosa essa personalidade, tendo em vista sua enorme capacidade de ser extrovertido, amigável e corajoso, qualidades essas opostas da sua real condição.
Por medo do conflito, Lycopodium foge covardemente.
Seu maior amor será pelo poder e com certeza irá chorar quando for homenageado. A criança Lycopodium
Quando alguém vai a sua casa o seu filho refugia-se por trás dos cortinados ou recusa-se a cumprimentar as visitas? Num primeiro contato é envergonhado? Sempre que o repreende fica com as lágrimas ao canto dos olhos? Tem medo de fantasmas e de dormi…