Amigos do Blog

Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 17 de setembro de 2011

LATCHO DROM

“Felizes são aqueles que levam consigo uma parte das dores do mundo. Durante a longa caminhada, eles saberão mais coisas sobre a felicidade do que aqueles que a evitam.”
Frase atribuída a Jesus Cristo/Apócrifo.


Nesta existência terrena temos dois momentos dos quais independem de nós...
O primeiro é quando chegamos, e todos que aqui estão chegaram. É a mesma estrada para todos e a chamamos de nascimento. Da mesma forma que bela se apresenta, breve é seu período, se compararmos com a idade dos oceanos, da terra, da lua, dos planetas e das estrelas. 

Num segundo momento a partida, a qual todos nós igualmente estamos sujeitos, e costumamos chamá-la de viajem. Uma viajem para a eternidade.

“Estais preparados,
pois não sabeis quando nem como sereis chamados a partir.
Não penses estar pronto.
Não te iludas, pois
infindável é a preparação.”Trigueirinho”

A marcha das Kalderash/Inglaterra

O dia da partida e o da chegada; são momentos solitários, pertencentes a cada de nós, únicos a cada segundo, impossíveis de serem redesenhados. E um dia, não tão distante, chegará a minha e a sua vez de viajar de volta ao começo.
O mundo continuará o seu ritmo alucinado, a vida vai continuar, as urgências que costumam tomar horas da nossa vida, não terão lugar e nem sentido. O mundo continuará girando e com ele as notícias, as bolsas de valores, a busca pelo emprego, a troca de carro novo e todas as ações diárias que julgamos de suma importância permanecerão.

Só eu e você teremos mudado de foco, estamos partindo, estamos cada um há seu tempo, caminhando para a eternidade e lá nada disso tem valor. Nada e nem ninguém poderá nos acompanhar. Tudo terá ficado pra trás. E é nesse exato instante que saberemos do real valor de todas as coisas. Essa é a hora da colheita. Chamamos de morte.

Um presente nos é dado quando desembarcamos por aqui, temos a possibilidade de construir e plantar, concretizar e reorganizar padrões. Fazemos isso através de atos e ações e essa é a moeda corrente que paga o barqueiro na hora da despedida.
Colheremos aquilo que plantamos, ações tem conseqüências.
O pacote da chegada trás consigo um corpo e uma alma. O corpo define limites, é palpável, a alma não, essa é possuidora de plena liberdade, mas transita dentro do corpo, esperando a hora de novamente alçar vôo.


A alma deverá estar suficientemente forte e bem nutrida para a partida, deverá ter forças para alçar vôo depois de ter ficado confinada ao corpo que por sua vez não consegue mais prosseguir. 

 “É chegada a hora da tua partida, de deixar para trás este corpo mortal, e seguir livre a tua jornada.” 

 “Cuidar do espírito significa cuidar dos valores que dão rumo à nossa caminhada e alimentar significados que enchem de sentido a nossa vida, são apenas estes que levaremos conosco até o fim de nossa existência.”

“Significa, especialmente, cuidar da espiritualidade,
que é a capacidade de sentir Deus a partir do coração
e de vê-Lo nascer a cada momento no outro que está à minha frente.”
Leonardo Boff

É o ser e o ter, os direitos e os deveres. Muito se tem falado sobre os “Direitos Humanos” o ter. Entretanto é chegada a hora de pensarmos no ser, nos “Deveres Humanos”.

O dever de ser solidário, de compartilhar, os dons com os quais fomos agraciados pela Vida...
O dever de respeitar as diferenças, compreender com quantas cores Deus pintou o mundo e acolher aquele não é nossa imagem e semelhança ou o que fizemos dela.

O dever humano de amparar o órfão, o idoso, o enfermo, o desamparado...
O dever humano de evitar a propagação da pobreza, da miséria, da fome e da intolerância.
O nosso dever, o meu e o seu de ajudar e socorrer o excluído e as minorias.

 “Se podes olhar, vê.
Se podes ver, repara.”
Livro dos Conselhos

Ao corpo, a matéria é limitada pelas leis do tempo, dos anos e pelo finito.

A alma não, essa pertence a um mundo sem fronteiras, sem limitações, sem gaiolas e sem prisões.  “Num mundo onde as aparências se desmancham, e as essências são reveladas...”

Para o corpo recolhe-se ao pó, cumprindo seu papel de abrigo temporário e necessário do espírito. O espírito segue sua jornada pelos mundos invisíveis, eternos, celestiais.

“O único objetivo da vida no mundo material
é a entrada no mundo da Realidade...”
Dos Escritos da Fé Bahá’í

 

E é assim que compreendemos o nosso trabalho na terra, não sabemos tudo, mas sabemos muito, não podemos tudo, mas estamos dispostas a mudar o rumo dos ventos. Somos o produto das nossas ações. Não é não errar nunca, não é acertar sempre, é simplesmente  continuar andando. É acreditar que apenas uma criança que seja, terá a possibilidade de dizer que alguém, em algum lugar, abriu as cercas de arame. Se ela conseguiu? Essa travessia pertence a cada um, a nossa é abrir caminho.


Muito obrigada a todos que ajudaram na realização do PROJETO KALINKA - CIGANOS NA MINHA ESCOLA: UMA HISTÓRIA INVISÍVEL e que com isso contribuiram para que a ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL MAYLÊ SARA KALÍ seja hoje uma realidade.
Texto/AMSK
Brasil, 17 de Setembro de 2011.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquise por matéria específica