DEPRESSÃO - A DOENÇA DESCONHECIDA


De acordo com OMS (Organização Mundial de Saúde), até 2020 a depressão será a principal doença mais incapacitante em todo o mundo. Isso significa que quem sofre de depressão tem a sua rotina virada do avesso. Ela deixa de produzir e tem a sua vida pessoal bastante prejudicada. Atualmente, mais de 120 milhões de pessoas sofrem com a depressão no mundo – estima-se que só no Brasil, são 17 milhões. E cerca de 850 mil pessoas morrem, por ano, em decorrência da doença. Entretanto, depressão é depressão no mundo todo. O que muda são os fatores que ativam esse processo. Estudos mostram que de 10 a 15% da população mundial devem apresentar pelo menos um episódio depressivo durante a vida. Desses, 40% terão apenas uma crise. Os outros 60% apresentarão novos episódios.

Descrita pela primeira vez no início do século 20, a depressão ainda hoje é confundida com tristeza (sentimento comum a todas as pessoas em algum momento da vida), frescura, moleza, fraqueza (baixa força de vontade – preguiça). Brigar com o namorado, repetir o ano escolar e perder o emprego são motivos para deixar alguém triste, cabisbaixo. Isso não significa, porém, que se está com depressão. Em alguns dias, ele, certamente, vai estar melhor. A perda de um ente querido, um acidente de carro, um divórcio, a perda da casa própria ou situações de constrangimento e agressão como assalto, presenciar um assassinato e etc, também circulam nas temáticas que deixam em dúvida um diagnóstico preciso. Cada indivíduo irá agir ou reagir de forma diferenciada, por isso as causas depressão é considerada multifatorial, pois tem componentes genéticos, biológicos e externos.

Uma pessoa, cuja família tenha outros casos de depressão, apresenta maiores chances de herdar a vulnerabilidade para a doença, isso é fato.

Os fatores biológicos estão relacionados a outras doenças e ao estresse, que pode ser físico (como uma dor constante), ambiental (frio ou calor extremos), e psicológicos (abuso sexual em crianças, por exemplo). Acredita-se que uma pré-disposição genética faça com que a pessoa seja mais suscetível a desenvolver o transtorno quando exposta a algum desses fatores.
No cérebro desses pacientes, ocorre uma diminuição na ação de alguns neurotransmissores, principalmente na dopamina e seratonina, responsáveis pelas emoções e estados de humor. Segundo Ricardo Moreno, chefe do Programa de Transtorno Afetivo do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP, “40% da depressão tem base genética, os outros 60% estão relacionados com fatores como álcool e outras doenças”.

O indivíduo que já sofreu um quadro depressivo tem mais chances de voltar a apresentar o quadro novamente, aqui ela é chamada de depressão reincidente.

A depressão pode se manifestar de maneira leve, moderada ou grave. Para o paciente, no entanto, o sofrimento é grande. De acordo com Marcos Pacheco Ferraz, da Unifesp, o que difere o grau do distúrbio é a intensidade e a quantidade de sintomas associados.

Confundir os sintomas da depressão com um possível infarto é comum. Confundi-la com uma crise de choro passageira e leve tremor do stress diário, também. A depressão se manifesta de forma diferenciada e deve ser tratada como tal. Diminuir a doença acaba por camuflar e retardar sua ação, nunca irá eliminá-la. Depressão não cura fazendo compra no shopping, nem tomando um banho de banheira ou saindo pra dançar. Depressão é uma doença e só encontra a cura quando existe uma seriedade no tratamento. Hpd.

Outro fator importante é que a depressão é uma doença psiquiátrica que não faz distinção de classe social, idade e sexo. Mas sabe-se que o pico da doença ocorre, principalmente, em indivíduos entre 18 e 45 anos e a prevalência é duas vezes maior em mulheres do que em homens. Isso é uma questão de hormônio. “Aqui pelas nossas pesquisas, acabamos verificando que a depressão masculina chega de forma mais brutal, parece – nos que pela carga imposta aos homens de sustentar responsabilidades e nas mulheres de serem sempre considerados achaques, frescuras, impedindo o atendimento correto e rápido.”Hpd.

A alimentação, o controle do stress, a qualidade do sono, a coordenação sadia dos problemas diários e a qualidade de vida são fundamentais, entretanto, quando pensamos que não podemos controlar nossas vidas e que as vezes somos responsáveis pelos nossos próprios sofrimentos é estranho.

http://www.bioaromas.com.br Ariane Roehe (um parceiro que divide as responsabidades e ajuda a aliviar as tensões)

http://www.teliga.net “As bases genéticas da obesidade” Gladis Franck.


Não temos como dizer a um jovem de 15 anos que a vida vale à pena, que não precisa se envolver com drogas – os mais pobres se envolvem pela condição financeira os mais ricos pela falta de algo mais e assim vai. Posso comer alimentos ditos anti depressivos ... minha faxineira só pode quando está na minha casa. Não tem como fugir do stress do transito, da falta de grana pra pagar o gás, mais dá pra fugir das dívidas pelas plásticas novas que não mudam o caráter de ninguém e nem te fazem a bela adormecida despertada do dia pra noite.

É normal ouvir alguém dizer: DEPRESSÃO de que? Tem tudo, casa, comida, roupa lavada, não falta nada. Banalizar doenças como depressão ou tratá-la como falta do que fazer é muito difícil e piora o estado. O apoio das religiões é de grande valia e importância, a fé ajuda e dá um bem estar renovador, entretanto deixar que Jesus seja seu psicólogo e ponto complica bem as coisas, melhor pensar que ele já ajudou alguém, a saber, como tratar essa doença, e, portanto estará te ajudando através do profissional.

O assunto é sério e está diretamente ligado a condição de vida da população. Aos valores que comungamos todos os dias. As formações genéticas e ao meio em que vivemos.

O que mais me surpreende na humanidade. "Os homens perdem a sua SÁUDE para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de tal forma que acabam por não viver nem o presente nem o futuro. E vive como se nunca fossem morrer... e morrem como se nunca tivesse vivido"     Dalai Lama.


E agora? O que podemos fazer ou falar para não sermos repetitivos? Sabemos que muitos de nós temos uma visão limitada sobre nossas doenças do dia a dia.
Se sabemos podemos mudar ou fazer alguma coisa. Não é só as outras pessoas que precisam de ajuda, todos nós precisamos. Cada um tem um dispositivo pessoal que por determinado motivo pode abrir as comportas da depressão.


E mais uma vez estamos falando de doenças e respeito, doenças e governo, doenças e estruturas familiares, climáticas, emocionais e etc ...
FATO: não vivemos com uma coisa apenas, somos feitos de uma mistura que relaciona o meio de vida, a alimentação, a tendência emocional e de relacionamentos, o convívio com os outros e a descoberta de nós mesmos. Por esse motivo, e só por esse, pense no conjunto das coisas.


Existe a depressão que assola países como o Haiti, por exemplo, pós guerra interna, pós tremor, a depressão que atinge Portugal e sua condição política, sua gente, suas perspectivas de futuro, que assola a França com seus jovens sem muitos objetivos, entregues a beber e a conversar sem rumo, sem direção. A depressão dos famosos nos USA, dos sem visão e possibilidades no Brasil. 

A depressão causada pelo frio e pela ausência do sol em países como a Dinamarca e seus vizinhos. Cada um tem seu motivo e sua razão. 

A depressão causada pela bebida, tão pouco vista e suas inegáveis conseqüências, na família, na vida pessoal e no trabalho. A causada pela obesidade, pela falta de amor próprio, pela morte de um parente e pelas doenças que não param de surgir e sempre são anunciadas como as doenças que irão matar mais pessoas no mundo.


Por todos esses fatores e muitos outros... Pensemos! Essa é uma inimiga pouco conhecida, muito desvalorizada e com ela perdemos a capacidade de reação, o que mata as nossas tentativas de solução. Preste atenção em você e nos que estão a sua volta. A ajuda deve vir sempre que for preciso, sempre que existir uma possibilidade e uma desconfiança. O profissional que estiver habilitado para esse diagnóstico, não pode ser encarado com desconfiança e nem com vergonha.  O que mais alimenta a depressão é a falta de ajuda no tempo certo e a banalização do sofrimento. 



Algumas sugestões de saída:

http://euamohomeopatia.blogspot.com “Centralizar para crescer e multiplicar”Dr. Elizabethe Carvalho.

http://medicinasnaturais.blogspot.com/2011/02/plantas-medicinais-ajudam-emagrecer-e.html - Plantas medicinais ajudam a emagrecer e a curar a depressão

Perto da Hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR), nasceu um refúgio biológico. Plantas receitadas para tratar doenças saem do local embaladas, prontas para virar chá.

MÔNICA TEIXEIRA
Foz do Iguaçu, PR
 






HOMEOPATAS DOS PÉS DESCALÇOS

As fotos acima foram retiradas da internet - com o objetivo de ilustração/aqueles que se sentirem lesados, entrem em contato que retiraremos. HPD

Comentários

  1. O post realmente é muito bem elaborado e sobre uma doença tão na ordem do dia! Esta doença de facto pode ser mais acutilante devido a heranças genéticas, mas também é muito às condições difíceis que se vivem, aqui em Portugal os números são elevados, pq estamos a atravessar uma crise muito profunda!
    Obviamente, que certos factores negativos, nos causam tristeza, mas quando se anda tempos e tempos sem conseguir resolver as situações, a depressão instala-se, às vezes irreversivelmente! Não sou formada nesta área, mas conheço a depressão de muito perto, no mês de Março um sobrinho suicidou-se!
    Beijinhos,
    Manu

    ResponderExcluir
  2. Cara Manuella, eis uma doença que o mundo precisa urgentemente prestar atenção. Estive em Portugal recentemente e constatei o fato inclusive entre os acadêmicos mais esperançosos. Precisamos ter força para reagir a essas situações e ajuda, sempre. Hoje em todo o mundo por motivos variados a situação requer cuidado e atenção.

    carinhosamente,

    Homeopatas dos Pés Descalços

    ResponderExcluir
  3. Preciso me concentrar, meu pensamento voa, meu cabelo está caindo, eu não lembro das coisas que acabei de ler, me separei recentemente, isto já acontece ha tempos, estou terminando uma especialização e nem sei como vou escrever a defesa. Alguém me ajuda, por favor? Cris

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris,

      calma, vc consegue. Vamos lá:

      nossa sugestão:

      1. procure uma vitamina chamada HENGER - em farmácias naturais/tome 1 flaconete em água por dia - tipo no meio da tarde.

      2. homeopatia:(1 por semana) - sugestão:

      Phosphorus na ch 30 - dose única
      Gelsemium ch 30 - dose única
      Thuya ch 30 - dose única
      Ignácia Amara ch 30 - dose única

      Tente ver sua alimentação e coma mais vezes em menas quantidade. A hora de comer um dose é: ou no meio da manhã ou no final da tarde. Esqueça refrigerante. Sucos de morango, de abacaxi com hortelã e de limão com laranja são seus amigos.

      a noite tome:

      vervaim, walnut, olive e oak - 40 gts antes de deitar.

      vai dar certo, sem desespero tá?

      um abraço e boa escrita.

      a equipe.

      Excluir
  4. Olá, primeiramente só tenho elogios para este blog, MARAVILHOSO!!!!!! Tive uma ajuda especial de vocês com meu filho que hoje se encontra bem melhor, agora é comigo, tenho 46 anos, sou casada e tenho dois filhos de 10 e 8 anos, tenho percebido um nervosismo exagerado, sinto-me esgotada e muito cansada, desanimada e deprimida, tenho curso superior, mas infelizmente estou em casa só com afazeres domésticos e isso me angustia, já tentei algumas vezes trabalhar fora, mas sempre dá tudo errado, só para ter uma ideia, da ultima vez passei em um concurso público, fui admitida em um emprego que eu adorava com um bom salário, mas por desavenças e intrigas dos meus pais que me ajudavam a cuidar dos meus filhos, a minha única opção foi pedir exoneração, não podia deixar as crianças sozinhas o dia todo e sair para trabalhar, parece que quando consigo alguma coisa que me deixa feliz tudo passa a dar errado, às vezes sinto que não existe lugar no mundo para mim, não tenho vida própria, vivo a vida de meu marido e dos meus filhos, não sei se por estar com 46 anos possa ser um começo de menopausa, só sei que estou sempre descontente e muito cansada e isso me faz mal, perdi a esperança de trabalhar fora e de realizar alguns sonhos que eu sei que só seria possível se eu trabalhasse fora, por favor peço que me ajudem se for possível, quanto a minha alimentação como de tudo, gosto de verduras, frutas e legumes, mas meu fraco são as massas em geral, se tiverem um tempinho para mim eu agradeço, beijos e desde já muito obrigada CRISTIANE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristiane,

      Prioridades e bom senso. Precisa definir o que te faz feliz e buscar uma brecha. Largou o emprego, todos estão bem e vc não. Isso é certo? claro que não. Isso é egoismo das pessoas a nossa volta.

      Florais - vervain, walnut, olive e oak - 30 gts a noite ao deitar.

      sugerimos uma dose de thuya (na ch 30) para a baixa estima e depois leia ignatia amara.

      Pode comer massa sim, mas no almoço e modere nos molhos, eles é que causam o estrago. A noite vá para os sanduiches leves e sucos, sopas e crepes também leves, mas varie.

      Dever de casa - pense no que gosta de fazer. Depois procure opções de realizá-lo. As vezes podemos encontrar um meio termo. Filhos crescem, os pais se vão, o casamento é uma construção diária. Precisa estar feliz com vc mesma. Vamos lá, vai dar certo. Você precisa definir qual o grau de pressão e medo que tem dos seus pais, do seu marido e dos seus filhos.

      Querida, a felicidade é sua e com 46 anos, melhor ainda. Estamos no meio da vida, podemos andar livremente. Ande, corra, dance pela vida. Ela é só sua.

      um abraço bem apertado e nos retorne tá? Estamos aqui, somos mulheres como vc e sabemos que as vezes as coisas apertam.

      um abraço,

      a equipe.

      Excluir

Postar um comentário

A ÚNICA CONDUTA ACEITA PARA COMENTAR É A GENTILEZA.

Postagens mais visitadas deste blog

LYCOPODIUM CLAVATUM

GELSEMIUM - O REMÉDIO DAS GRANDES SENSIBILIDADES

IGNATIA AMARA - A CHAVE DO EQUILÍBRIO